Trump se reúne com ex-rival Mitt Romney

Trump se reúne com ex-rival Mitt Romney

Em declarações à imprensa, os dois elogiaram o encontro deste sábado, mas não esclareceram se Romney fará parte da nova administração; Trump receberá mais políticos e empresários no domingo

Redação Internacional

19 de novembro de 2016 | 20h53

NEW JERSEY – Em seu primeiro fim de semana fora de Nova York desde a eleição à presidência americana, Donald Trump recebeu neste sábado, 19, o seu ex-rival nas primárias do Partido Republicano Mitt Romney no campo de golfe de Bedminster – uma de sua propriedade em New Jersey, uma hora e meia de carro de sua casa em Manhattan -, onde permanecerá até domingo, longe dos olhos e dos manifestantes que cercam a Trump Tower na quinta avenida em Nova York.

Em declarações após a reunião, os dois não esclareceram se o encontro fez parte das negociações de Trump para formar sua equipe de governo – segundo especulações, Romney poderia dirigir o Departamento de Estado – ou se foi apenas uma visita de cortesia para tentar resolver os atritos dentro do partido criados pela campanha agressiva do magnata.

Com o vice-presidente eleito, Mike Pence, ao fundo, Trump (C) se despede de Romney após reunião neste sábado (EFE/EPA/Aude Guerrucci / POOL)

Com o vice-presidente eleito, Mike Pence, ao fundo, Trump (C) se despede de Romney após reunião neste sábado (EFE/EPA/Aude Guerrucci / POOL)

“Mantivemos uma boa conversa sobre os diversos cenários mundiais nos quais os Estados Unidos têm interesses significativos”, afirmou Trump depois da reunião de quase uma hora e meia. O presidente eleito fez questão de receber Romney na entrada do campo de golfe e de acompanhá-lo na saída, se despedindo com um longo aperto de mão na frente dos repórteres.

“Conversamos sobre estes assuntos e trocamos opiniões. Foi uma conversa muito completa e profunda dentro do tempo que tivemos disponível. Valorizo a possibilidade de falar com o presidente eleito e estou ansioso para o início do próximo governo”, disse Romney em uma breve declaração.

A nomeação de Romney, de 69 anos, candidato do Partido Republicano à Casa Branca em 2012, para uma pasta importante no governo, como o Departamento de Estado, seria um movimento de Trump para tentar dar segurança aos aliados dos Estados Unidos.

Negociações. O sucessor de Barack Obama nomeou na sexta-feira três membros de sua equipe (Justiça, CIA e Conselheiro de Segurança Nacional), mas ainda restam mais de uma dúzia de posições importantes a serem preenchidas para formar o seu gabinete de governo, com destaque para as pastas de Departamento de Estado e Defesa – além da nomeação de milhares de cargos de confiança em Washington.

Entre as outras pessoas recebidas por Trump neste sábado estão o general reformado James Mattis, potencial candidato ao Pentágono, Michelle Rhee, controvertida ex-diretora das escolas de Washington, que foi qualificada como “muito talentosa” pelo bilionário e é apontada como possível responsável de Educação no novo governo e a política Betsy Devos, ex-dirigente do Partido Republicano em Michigan que também é sondada para a área de educação.

No domingo, Trump deve se reunir com o governador de New Jersey, Chris Christi, com o ex-prefeito de Nova York Rudolph Giuliani, e com vários empresários, incluindo Lew Eisenberg, Andrew Puzder, Todd Ricketts -dono do time de beisebol Chicago Cubs -, com Wilbur Ross, que lucrou bilhões investindo em empresas falidas e poderia ser secretário de Comércio do novo governo e com David McCormick, chefe de investimentos da empresa Bridgewater Associates. / AFP, EFE e REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:

Donald TrumpMitt Romney

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: