‘Veja quem não está aceitando o resultado das eleições’, diz assessora de Trump

‘Veja quem não está aceitando o resultado das eleições’, diz assessora de Trump

A assessora, que foi diretora da campanha presidencial do republicano, se referia à ameaça do próprio Trump de que poderia não aceitar o resultado no caso de uma vitória de Hillary e foi duramente criticado

Redação Internacional

24 de novembro de 2016 | 19h02

A Assessora do presidente eleito americano Donald Trump Kellyanne Conway provocou, nesta quinta-feira, 24, os eleitores da democrata Hillary Clinton que pedem a recontagem e não aceitam o resultado das eleições presidenciais.

“Veja quem não está aceitando o resultado das eleições. Os partidários de Hillary Clinton que estão pedindo a recontagem dos votos em Estados-chave”, afirmou Kellyanne em um post no Twitter, fazendo um link para a reportagem do jornal The New York Times sobre o pedido de recontagem.

Kellyanne Conway, campaign manager and senior advisor to the Trump Presidential Transition Team, speaks to reporters at Trump Tower in New York, NY, U.S. November 21, 2016. REUTERS/Lucas Jackson

A assessora de Trump Kellyanne Conway. Foto: Lucas Jackson / Reuters

A assessora, que foi diretora da campanha presidencial do republicano, se referia à ameaça do próprio Trump de que poderia não aceitar o resultado no caso de uma vitória de Hillary e foi duramente criticado.

A democrata obteve mais de 2 milhões de votos a mais do que Trump na votação popular, mas ele venceu nos Estados que lhe deram a maioria dos delegados no Colégio Eleitoral.

Alguns acadêmicos e especialistas têm sugerido que os resultados em três Estados-chave deveriam ser recontados em razão da possibilidade de irregularidades nos padrões de votação ocasionadas pela ação de hackers.

A campanha de Hillary ainda não pediu nenhuma recontagem, nem mesmo o Comitê Nacional Democrata. De acordo com a imprensa americana, não há evidências claras sobre a ação de hackers no processo.

A ambientalista Jill Stein, que disputou a presidência dos Estados Unidos pelo Partido Verde, lançou pela internet na quarta-feira uma campanha de financiamento coletivo para poder oficializar o pedido de recontagem nos Estados de Wisconsin, Michigan e Pensilvânia. Em poucas horas, a campanha recebeu vários milhões de dólares.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.