Vencedores e perdedores da terceira noite da convenção democrata

Vencedores e perdedores da terceira noite da convenção democrata

Veja quais foram os melhores e piores oradores do terceiro dia do evento

Redação Internacional

28 de julho de 2016 | 10h24

O terceiro dia da Convenção Nacional Democrata foi marcado pelos discursos de alguns dos nomes mais importantes do partido da candidata à Casa Branca Hillary Clinton, incluindo o seu vice, Tim Kaine e o presidente americano Barack Obama.

Veja abaixo quem foram os vencedores e os perdedores da noite, segundo o jornal The Washington Post.

Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ao lado da candidata democrata à Casa Branca, Hillary Clinton

Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ao lado da candidata democrata à Casa Branca, Hillary Clinton (Foto: REUTERS/Brian Snyder)

VENCEDORES

Joe Biden

O atual vice-presidente fez três coisas muito boas em seu discurso: contou sua própria história sobre perda e perseverança, deu um depoimento forte em nome de Hillary, e massacrou o candidato republicano Donald Trump. “Nenhuma grande indicação do partido (Republicano) na história deste país tinha tão pouco conhecimento ou esteve menos preparada”, disse Biden. E ele fez mais do que isso, defendendo de forma poderosa a classe média americana e a habilidade única da população de superar desafios.

Barack Obama

O discurso do presidente dos Estados Unidos não entrará na lista de suas melhores performances. Ele é melhor vendendo a si mesmo do que sendo o substituto de alguém. Ainda assim, Obama é um dos melhores oradores do mundo. Ele foi gracioso, dividiu o crédito com Hillary pela decisão de ir atrás de Osama bin Laden, e foi duro com Trump, repudiando a imagem que o empresário passa de “salvador”. “A América já é grande”, afirmou o presidente.

Michael Bloomberg

O ex-prefeito de Nova York começou seu discurso um tanto nervoso ao ser recebido de forma rude pelo público da convenção quando falou sobre os pontos em que ele discorda de Hillary. Mas Bloomberg conseguiu se encontrar quando voltou sua retórica para criticar Trump. “Vamos eleger uma pessoa sã e competente”, disse. “Trump diz que quer liderar a nação como ele lidera seus negócios. Deus nos ajude.”

Martin O’Malley

O ex-governador de Maryland subiu ao palco por volta das 19h30 locais (20h30 em Brasília) e fez um discurso eficaz contra Trump, ganhando a plateia.

PERDEDORES

Tim Kaine

O vice-presidente de Hillary falou de maneira competente, introduzindo a si mesmo para um público e um país que, em grande parte, não o conhece. Ponto negativo: sua imitação de Trump.

Leon Panetta

O ex-secretário de Defesa é uma das figuras mais respeitadas em termos de segurança nacional em Washington. Ficou claro desde o início de seu discurso que ele tinha a tarefa de atacar Trump de forma séria e sóbria, além de mencionar sua incapacidade de entender a complexidade da ameaça terrorista. Infelizmente para Panetta, sua fala foi interrompida pelos apoiadores de Bernie Sanders, que decidiram entoar um hino de “guerra não mais”. Por essa, ele não esperava.

Rahm Emanuel

O prefeito de Chicago foi uma figura-chave no primeiro mandato de Obama. Mas no vídeo que levou ao discurso do presidente americano, Emanuel mal foi mencionado. Quando citado, ficou marcado como o homem que disse que o Affordable Care Act, reforma do sistema de saúde mais conhecida como Obamacare, não conseguiria ser aprovado.

Veja abaixo: Hillary faz história

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.