Ameaça de greve no setor de terra da aviação durante a Feira de Turismo (ITB)

Fátima Lacerda

06 de março de 2017 | 11h50

O mundo inteiro sabe: Já se passaram quase 5 anos da data prevista para a abertura do Aeroporto Internacional Willy Brandt, o BER. Da perspectiva de hoje, ninguém sabe se quando e se esse aeroporto será inaugurado. Se for, no momento da fita inauguratória ser cortada, ele já será pequeno demais para o número de passageiros que chega e sai de Berlim.

Entre alhos e bugalhos…

A Flughafen Holding tem como acionistas o governo federal, na pessoa de Alexander Dobrindt, Ministro dos Transportes e o mais incapaz membro de todo o gabinete Merkel. Do outro lado, o prefeito de Berlim, o social-democrata Michael Müller. Ainda também nesse engodo de incapacidades e incompetências, o governo regional da cidade de Brandemburgo, onde esta localizada a obra de igreja que fez de Berlim motivo de chacota de, no mínimo todos os estados alemães já que por todos eles, Berlim é considerada “a ovelha negra da república”.

Depois de relutância da parte de Brandemburgo para desovar o chefe executivo, Karsten Mühlenfeld assinou na manha de segunda-feira (06) o contrato de recisao. E pra ficar ainda mais constrangedor, o engenheiro responsável Marks, que Mühlenfeld havia despedido à revelia dos membros da Holding, volta a trabalhar na obra de igreja. O #Hashtag #Mühlenfeld é o trending topic do Twitter na Alemanha ao finalizar esse texto.

O usuário Kevin Schulte, em alusão ao futebol, alfinetou no Twitter: “O BER é o Schalke 04 entre os aeroportos. Ninguém mandou embora mais treinadores“.

Esse cenário se mostra logo no preâmbulo da maior Feira de Turismo do mundo, a ITB (08-12.03), que domina o ápice do calendário de feiras da capital. A usuária Verena Dittrich, usando a foto veiculada abaixo para ilustrar seu Twitter, alfinetou: “Chuck Norris teria construído essa joça em uma semana“.

Ironia berlinense

Devido a falta do Aeroporto Internacional, os funcionários de terra dos dois aeroportos de Berlim (Tegel e Schönefeld) tem obtido uma carga horária mais pesada e exigem aumento de salários. Como o empregador ofereceu uma proposta que implicam um aumento de 10 centavos de um euro, os funcionários, representados pelo sindicato VERDI decidiram partir para a greve. Até terça-feira (7) um dia antes da abertura da feira, os empregadores tem tempo para “melhorar a oferta”, declarou um representante do sindicato VERDI.

Exigências do VERDI

Aumento de 1,0 euro no salário por hora para 12,00 euros (no momento 11,00) e um contrato valido, pelo menos por 1 ano para garantir que nesse período que não haverá necessidade de novas negociações. O engodo da obra de igreja BER nao enfraquece a luta trabalhista conduzida pelo sindicato, só joga mais ainda no ventilador. Tivesse o BER pronto, a carga horária de funcionário de outros aeroportos do país seria outra, assim como suas revindicações.

A ITB abre dia 08 e ate o dia 10 e exclusivamente para atuantes no setor de turismo. No sábado e no domingo, os berlinenses podem saciar seu desejo infinito de viajar pelo mundo (mesmo que seja por algumas horas), invadindo a feira e levar pra casa o restante dos panfletos.

Entre os estandes mais visitados estão os dos países africanos, que sempre oferecem shows de bandas “exóticas”, o estande do Chile com excelente culinária e um programa cultural diversificado e do Brasil, com Happy Hour de Caipirinha e as (em tamanho super-mini) delícias culinárias de Terra Brasilis. A música não deixa de apelar para o exótico e previsível, mas ainda no âmbito do suportável.

 

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.