“Festa dos Cidadãos” : o Auf Wiedersehen de um grande presidente

Fátima Lacerda

12 de setembro de 2016 | 11h43

WIN_20160909_171945

Os dias 09 e 10 de setembro serão motivo de melancolia para muitos. O presidente que goza de 70% de aprovação dos alemães celebrou, como anualmente desde 2012 quando tomou posse, a “Festa dos Cidadãos”.

Gauck2016Foto: RBB

Uma das suas primeiras medidas depois de assumir o cargo foi rebatizar o ex-“Festa de Verão” em “Festa dos Cidadãos” que duraria 2 dias. O primeiro, seria uma homenagem aos protagonistas do trabalho voluntário, espalhados por todos os cantos do país. O segundo dia é de portas abertas para quem quiser visitar o Palácio Presidencial, Bellevue. Enquanto no primeiro dia os convidados são homenageados com comida e bebida grátis. O segundo dia é aberto, mas as empresas de pequeno e médio portes que atuam como parceiras do evento (depois de terem sido escolhidas a dedo) querem recuperar um percentual do capital investido. Os preços são acessíveis e os produtos de ótima qualidade.

GauckBierDPAFoto: picture alliance / dpa

2016 Edição especial

O que essa edição de 2016 do Bürgerfest tem de especial é a despedida do presidente, que recentemente alegou não estar disponível para uma segunda candidatura. Alegou não estar confiante de segurar o tranco de mais 5 anos. Disse não saber “se a saúde estará tão bem quanto agora”. O mais simpático dos presidentes que a Alemanha teve, nasceu em 1940 cresceu na Alemanha comunista, foi pastor evangélico luterano e depois da Unificação, Chefe da Repartição que administra e cataloga os dossiês da STASI, a polícia secreta da RDA.

Gauck era um exemplo de que os alemães do leste eram “alemães de segunda classe”. Algo apertava no seu sapato. Faltava a virada do jogo. E ela, por ironia do destino, com a tacada genial dos neoliberais (FDP, na sigla) que em 2012 ainda estavam representados no parlamento alemão. Em 2010, Merkel “escalou” o seu garoto de recados, o pálido, a marionete Christian Wulff, na época, Ministro Presidente da região da Saxônia Baixa para ser o seu capacho no Palácio e fazer caras e bocas dando adubo para as revistas de famosos, mas em dar peteco em assuntos políticos. Wulff, deslumbrado com o cargo e com os holofotes resultante dele, jogou tudo no ventilador deu vários tiros no pé e ainda deu um esporro no chefe do tabloide Bild, o que, no final, lhe custou o cargo. Wulff sujou a aura de um cargo de grande simbologia na Alemanha. Gauck restaurou tudo. Fez um excelente trabalho. Viajou os 4 cantos do mundo, procurou o diálogo e o fortalecimento das relações diplomáticas em temos de crise.

Na quesito de agenda obrigatória logo depois da abertura, foi Gauck que mostrou sua capacidade de maestro de cerimônias, criador de sinergias e de uma simpatia instigante. Ao lado dele, a pálida Angela Merkel que ainda teima em usar uns ternos que são simplesmente No-Go para qualquer número de manequim, se comportava como um peixe fora d’´água.

Ao invés de Chefes de Estado, crises para serem administradas, a chanceler se viu naquele final de tarde de sexta-feira rodeada de seres humanos assim como eu e você e isso, para Angela, é tarefa de Hércules. O vídeo com imagens da chegada dos dois chefões ao estande escolhido para ser foco dos holofotes, é um exemplo disso.

A iniciativa “Rock Your Life” do bairro de tradição proletária de Wedding junta idosos e jovens para uma trilha conjunta no âmbito escolar e de especialização. Com suas experiências de vida os idosos atuam como mentores dos jovens em idade escolar e em cursos de especialização. Uma situação de ganho para os dois lados. Em conversa com a chanceler, um dos membros da ONG, declarou: “Na nossa ONG há um clash de culturas. Tem gente de todos os cantos do mundo”, tocando o dedo na ferida do momento: a questão do que será da Alemanha com a “invasão de refugiados” que não são adeptos do cristianismo. Os cenários são os mais apocalípticos possíveis. O presidente, por sua vez, se nega à aderir à dialética dos pessimistas de plantão. Sempre com um sorriso no rosto, sempre solícito com a imprensa e sempre dando vazão à sua vaidade enquanto curte os holofotes, Gauck foi o ponto de atenções da noite do primeiro dia. Nas inúmeras mesas posicionadas no jardim do Palácio, o tema mais frequente era “como é uma pena que ele no vai se recandidatar!”.

Em seu brevíssimo discurso pouco antes da abertura oficial sob um sol de 30 graus de um verão berlineses bem atrasado, Gauck anunciou com a voz em timbre de seriedade, a „presença da chanceler Angela Merkel“. Se permitiu uma alfinetada na reta final de sua trajetória política, Gauck, bem humorado, com sorriso maroto, olhou para chanceler e disse: „O clima aqui (na minha casa) é bem diferente né?! Merkel soltou um sorriso sem graça por não ter outra opção.

Merkel_Pro

Luz em tempos de treva

O meu ritual de praxe é colocar a credencial na bolsa, sentar nas mesas, ouvir as pessoas, saber de suas histórias. Dessa vez o acaso foi, especialmente, generoso.

WIN_20160909_173234

Encontrei Birgit e seu filho Cedric. Conversa vai e conversa vem, ela me contou sobre a Associação „Momella“. Fundada em 1996, devido à uma viagem de turismo à Tanzânia. Lá, Birgit Frosch, residente na cidade de Dortmund, teve a ideia de fundar uma associação para suporte em forma de material escolar, livros, construção de escolas, cantinas e banheiros além de disponibilizar matérias esportivos. Nesse meio tempo de existência, em maio desse ano contabilizando 170 membros a associação tem como prioridade um lidar transparente com as finanças: “Quando nós, eu e meu marido, vamos à Tanzânia para controlar a distribuição dos materiais, nós pagamos passagens e hotéis do nosso bolso”, declara com voz comedida, mas não sem um tanto de orgulho. Com 20 anos de existência “Momella” já oferece suporte para 2.300 alunos de escolas primárias. São elas: Maji Ya Chai, Kimandafu, Tuvaila, Momella.

WIN_20160909_193425überarbeitet

O acaso

O convite para ser homenageada no Palácio na última edição da “Festa dos Cidadãos” realizada pelo atual presidente, aconteceu de forma insusitada e sem qualquer planejamento.

Quando o presidente estava em visita oficial ao país africano em fevereiro de 2015, na noite de chegada de Birgit havia um forte esquema de segurança em volta do hotel. “O que diabo é isso?” indagou à um funcionário. “O vosso presidente está dando um banquete”. Moral da história. O casal se encontrou no saguão, Birgit, com a mistura fenomenal de empatia, postura e credibilidade chamou a atenção do presidente e sua companheira, a jornalista Daniela Schadt. O casal ficou encantado com a associação e postura de “botar a mão na massa” tao exaltada pelo presidente que detesta a choramingar e a postura de vítima das situações que instruiu seus assessores para trocarem contato com o casal alemão. Pronto. O caminho estava traçado e ainda de quebra, a Associação ganhou um selo de qualidade em forma de convite para a cobiçada festa nos jardins do Palácio.

Gauck faz deixar saudades. Pela sua habitual e simpática quebra de protocolo, pela consideração e respeito pelos jornalistas e pela sua postura de que, choramingar não é a boa, mas arregaçar as mangas e fazer. Essa postura, num país como a Alemanha é, ao mesmo tempo rara e necessária.

Segundo as fontes da emissora local de Berlim, o presidente fez 4000 Selfies durante os dois dias. Gauck vai deixar saudades na maioria dos que vivem na Alemanha, independentemente da cor do passaporte.

Links relacionados:

www.momella.org