Imprensa alemã sobre as Olimpíadas: Bem- vindo ao inferno!

Fátima Lacerda

05 de julho de 2016 | 04h17

WP_20160315_14_03_24_Pro

Na manhã de terça-feira (05) o portal Spiegel Online divulga uma foto da linda praia de Ipanema em matéria titulada: “Bem-vindo ao inferno!“:

“Um mês antes do início dos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro policiais e bombeiros recorrem a postura drástica. Os recém-chegados no Aeroporto Tom Jobim são confrontados com mensagens fortes”.

A matéria ainda divulga que tanto os bombeiros como os policiais estão sem receber salários desde o mês de maio. “Quem vier para o Rio não estará seguro” e ainda afirmaram que “se a situação não se resolver” os protestos continuaram durante os jogos.

Policiais©DPA

Não é segredo pra ninguém (e nem a imprensa alemã descobriu algo inusitado) sobre a situação de calamidade governamental em que se encontra o Rio de Janeiro. Em recente estada de 2 meses na ex-capital da República, pude viver, em frente à praia do Leme, direta ou indiretamente, essa realidade no dia a dia confuso, caótico e deficiente em infraestrutura. A imagem de incomparável beleza estética é só um lado da moeda. Mas é um lado que é real. Incontestavelmente. E é possível, sim, viver no RJ. Mas nao são parâmetros europeus. O relógio político, social, cultural anda de uma forma bem diferente!

Até mesmo o prefeito Eduardo Paes, uma adepto de sempre fazer una bella figura e que adora conceder entrevistas para a imprensa internacional, desta vez, jogou tudo no ventilador conversando com a CNN americana:

Eu não estou preocupado com eles (população) serem abandonados durante o período dos Jogos. Eu estou preocupado por eles serem abandonados todos os dias. Este é a questão mais séria no Rio de Janeiro e o Estado está fazendo um trabalho horrível. O Estado é completamente falho em seu trabalho de garantir a segurança da população”.

Para desacelerar, Paes se mostrou “confiante” sobre a segurança disponibilizada durante os Jogos já que “Durante os Jogos, a Força Nacional, o Exército, a Marinha, todos vão estar lá. Felizmente o Estado não será o único responsável pela segurança durante o período das Olimpíadas.

O prefeito do PMDB ainda falou sobre sua preocupação com o vírus da Zika, outro aspecto que vem sido veiculado na imprensa alemã em geral, porém sem o cunho apocalítico do portal Spiegel Online.

Outros quinhentos….

No preâmbulo do Torneio da Eurocopa na França, a dialética foi a mesma que está sendo usada poucos dias antes do início dos Jogos Olímpicos.

Não havia um só dia em que a imprensa alemã deixasse de tratar detalhadamente sobre as convulsões sociais e greves pelas quais passa a franca com as medidas nada populares do presidente François Hollande. Ele, que chegou para ser o “Robin Hood socialista” da UE, acabou se rendendo aos fatos e à política de austeridade da Dama de Ferro, que na atualidade nao mais atende pelo nome de Margaret Thatcher, mas de Angela Merkel.

Não que a imprensa não tenha que divulgar as mazelas de quaisquer lugares que seja. Porém, especialmente o portal Spiegel Online segue uma dialética de cenário de fim do mundo. Assim foi no preâmbulo da Copa no Brasil, no preâmbulo da UE e agora, 30 dias antes da abertura oficial dos Jogos.

Os que os alemães não sabem…

A matéria das agências e reproduzida pelo Portal no início de quarta-feira acopla a ausência de pagamento dos policiais com a crônica falta de proteção policial, de segurança. O que se os policiais não estão sendo pagos, os visitantes não estarão seguros.

Quem vive no Rio sabe que nem mesmo sendo pagos em dia, a polícia como aparato é capaz de garantir a segurança dos cariocas: nem a dos lá nascidos, nem o dos visitantes. O salário é baixo e está frequentemente atrasado. O despreparo grande, o equipamento obsoleto e a vontade política em resolver, se mostra comprometida. O deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL-RJ) chegou bem perto dessa verdade e quase teve que pagar com a vida quando foi presidiu a CPI das Milícias. Em “Tropa de Elite 2” o diretor José Padilha, com brilhante astúcia e amor aos detalhes, escolheu exatamente esse plot: o âmbito político.

Enquanto o Brasil como um todo e como oitava economia mundial se encontra na gaveta das redações concernentes à pautas até que se esclareça definitivamente o curso político, o Rio de Janeiro virou, atualmente e por motivos oportunistas, a menina dos olhos da imprensa alemã sublinhada de um cunho apocalíptico. Para quem não conhece o Rio, pensa que é impossível ali pisar e mais impossível ali viver.

No final de tudo…

As imagens da deslumbrante silhueta da cidade maravilhosa estará na tela das TVs de todo o mundo, até mesmo nas telas das TV’s alemães que tiveram seus equipamentos roubados na semana passada na Avenida Brasil e logo depois reencontrados em Magé.

http://www.spiegel.de/politik/deutschland/nachrichten-am-morgen-die-news-in-echtzeit-a-1100568.html