Jean Wyllys será um dos palestrantes da “Conferência Rosa Luxemburgo” em Berlim

Fátima Lacerda

10 Janeiro 2017 | 19h11

JeanWillys

Como um dos convidados da “Conferência Rosa-Luxemburgo”, o deputado federal do PSOL irá palestrar juntamente com ativistas e políticos da Alemanha, Cuba,Turquia, dos Países Bascos, dos EUA e da Colômbia.

A “Conferência Rosa Luxemburgo” acontece anualmente que em 2017 estará em sua décima segunda edição leva o nome da revolucionária, que no início do século XX e junto Karl-Liebknecht inflamou a Alemanha com ideias libertárias. Luxemburgo viveu somente até os 47 anos quando foi assassinada juntamente com Karl- Liebknecht na manhã gélida em 15 de janeiro de 1919 em Berlim.

Slogan-port

O evento é protagonizado pelo jornal “Junge Welt” com o suporte de inúmeras organizações esquerdistas internacionais. O jornal “Mundo jovem” é um dos poucos meios de comunicação que ainda continua insistindo na visão de um mundo obsoleto dividido entre norte e sul, fazendo vista grossa para o avançado processo de globalização em que nos encontros. Decerto ele, o avançado processo não dizimou as diferenças sociais e muito menos as injustiças e a crônica falta de cidadania em muitos países, porém, o “Junge Welt” continua insistindo em ver o mundo divido, exclusivamente, entre vítimas e malfeitores. Quem pensa que em eventos protagonizados por esse jornal sao regados por tolerância na forma de ao menos deixar valer opiniões contrárias as das veiculadas nos editoriais do jornal, se engana. No âmbito desse jornal ainda continua existindo somente esquerda ou direita. Certa vez, num palestra sobre Julian Assange, fundador do Wikileaks eu me permiti perguntar além daquilo que a deputada do partido esquerdista Die Linke dissertava. Ela acabara de voltar de Londres de um encontro pessoal com o sueco, ainda inebriada com tantas impressoes, se sentiu incomodada pelas minhas perguntas, essas que interromperam seu momento “wow wow” como recém chegada “da fonte”. No final do evento, eu fui seguida por uas 4 pessoas até ao estacionamento da minha bicicleta, ofendida e esculachada como “direitóide”.

Em mais de duas décadas vivendo em Berlim, tendo estudado na Faculdade Livre de Ciências Políticas (FU Berlin) que tem fama de ser a mais esquerdista do país e onde o ex-presidente FHC recebeu o título de Doutor Honoris causa em 1999 eu nunca presenciei tão explícita de falta de aceitação de algo que não “venha lá de cima”. Eu me senti no clima da Guerra Fria, da Alemanha Oriental, onde qualquer pergunta ou questionamento eram vistos como pólvora, como rebelião contra o sistema estabelecido simplesmente por fazer perguntas “fora do roteiro” desejado pelos “donos da palavra” num solo onde imperava o medo.

Logo Berlim, que é um lugar que despreza hierarquias, as questiona o tempo todo e não reconhece bens materiais como símbolo de status, ser também um solo que permite equívocos políticos desse tamanho.

Para acessar

Para conferir os palestrantes no Mercure Hotel no bairro de Moabit é preciso reservar pulseirinhas no site do jornal e buscá-las, pessoalmente, no balcão de atendimento do jornal. Os valores das pulseirinhas são os seguintes:

Inteira: 23,00 euros (aproximadamente 78,00 reais)

Meia: 18,00 euros

Ingresso somente para a discussão: 12,00/Meia, 9,00 euros

Devido ao inverno gélido que estacionou em Berlim nos massacrando com temperaturas entre 1 grau positivo e 5 negativos, será preciso muita disposição, disciplina prussiana para conferir o evento que promete, desde já, ser polêmico.

A abertura da Conferência às 10:20 horas (horário local) do próximo sábado dia 14 será feita pelo grupo de música e dança Capoeira Topázio Berlim.

A partir das 11 horas iniciam-se as palestras. Se a ordem for como exibida no portal do evento, o deputado do PSOL dará o pontapé inicial.

Atualizado em 14.01.2017: