As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

5 motivos para a ONU assumir o controle de Gaza

gustavochacra

04 de agosto de 2014 | 10h27

O ministro das Relações Exteriores de Israel, Avigdor Liberman, sempre foi criticado por ser um dos mais radicais políticos israelenses, flertando certas vezes com o racismo contra os árabes-israelenses. Mas hoje o chanceler fez uma proposta interessante que deve ser examinada com atenção, independentemente de outras posições políticas dele

Na visão de Lieberman, a ONU deveria assumir o controle de Gaza por um período, assim como ocorreu em Kosovo e Timor Leste em períodos de transição para a independência. Esta proposta é muito boa por pelos menos 5 motivos

1. Israel (ou pelo menos seu ministro das Relações Exteriores) aceita

2. Os palestinos têm ótima relação com as Nações Unidas

3. A alternativa seria o Hamas no poder, mais conflitos ou um longo processo de transição para a Autoridade Palestina (e este pode ser feito via ONU)

4. O bloqueio poderia ser levantado aos poucos com o monitoramento da ONU

5. A ONU, com tropas brasileiras do Batalhão Suez, monitorou Gaza entre 1956 e 1967 (por isso o célebre campo de refugiados Brasil)

Haverá, sem dúvidas, obstáculos. Mas talvez sejam menores do que em outras alternativas. E, antes que me esqueça, Lieberman também tem sido um vanguardista dentro de Israel na defesa de uma negociação de paz levando em conta a proposta da Liga Árabe, na mesa desde 2002 e ignorada por Israel. A oferta de todos os países árabes prevê o estabelecimento de relações diplomáticas de Israel desde que o país retorne para as fronteiras pré-1967 (Cisjordânia, Gaza, Jerusalém Oriental e o Golã sírio) e uma solução justa para os refugiados, sem necessariamente demandar o retorno

Para completar, vale lembrar que Israel tem relações diplomáticas com dois de seus vizinhos – Jordânia e Egito. Nos outros dois, Síria e Líbano, há forças da ONU monitorando a fronteira. A divisa com a Síria é a mais segura de Israel há décadas e a com o Líbano tem se acalmado bastante nos últimos anos. Por que não testar em Gaza? 

Não sei como faz para publicar comentários. Portanto pediria que comentem no meu Facebook (Guga Chacra)  e no Twitter (@gugachacra), aberto para seguidores

Guga Chacra, comentarista de política internacional do Estadão e do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários islamofóbicos, antissemitas, anticristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco são permitidos ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, na Rádio Estadão, na TV Estadão, no Estadão Noite no tablet, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor), no Instagram e no Google Plus. Escrevam para mim no gugachacra at outlook.com. Leiam também o blog do Ariel Palacios

Tudo o que sabemos sobre:

Guga Chacra

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: