As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

6 motivos para condenar Israel pelo novo confisco de terras na Cisjordânia

gustavochacra

01 de setembro de 2014 | 09h47

O governo de Israel anunciou que confiscará mais de 400 hectares de território palestino na Cisjordânia, próximo à cidade de Belém. Esta ação tem seis consequências imediatas

1) Deteriora as relações de Israel com os Estados Unidos, que condenou o confisco de terras

2) Viola a legislação internacional

3) Enfraquece a Autoridade Palestina, parceiro israelense para a paz

4) Fortalece o discurso do grupo terrorista Hamas, que dirá que o único meio de conseguir frear Israel é pelas armas

5) É um duro golpe contra a paz, pois deixará ainda mais complicada a formação de um Estado palestino

6) Acentua o isolamento de Israel na comunidade internacional, que já havia se agravado com a Guerra de Gaza

Por que?

Porque a Cisjordânia, segundo a ONU, é parte do futuro Estado palestino. A ocupação israelense, iniciada em 1967, é ilegal para toda a comunidade internacional. A Autoridade Palestina já indicou que concordaria, em alguns casos, com a permanência de assentamentos judaicos no lado israelense em troca de terras em outras áreas. Neste caso, foi uma ação ilegal e, pior, não visa a permanência de assentamentos já existentes, mas o aumento desta política que é prejudicial para a paz.

A anexação anunciada pela administração de Benjamin Netanyahu é a maior dos últimos 30 anos e não tem nenhuma lógica. Há mais argumentos para justificar bombardeios contra Gaza do que para anexar território palestino. Afinal, no caso de Gaza, Israel de fato vinha sendo atacado pelos foguetes do grupo terrorista Hamas, que não reconhece o direito de Israel existir, e tinha o direito de responder, embora se discuta a proporção da resposta. Na Cisjordânia, governada pela Autoridade Palestina, aliada dos EUA, quem está errado é Israel, ao ocupar um território que não lhe pertence e construir assentamentos ilegais.

Claro, Israel pode argumentar que se trata de território disputado e anexar de vez a Cisjordânia. Neste caso, deveria conceder cidadania para milhões de palestinos muçulmanos e cristãos. Se o fizesse, porém, correria o risco de perder sua identidade judaica no futuro. Ao manter a ocupação sem conceder cidadania aos palestinos cristãos e muçulmanos ou sem a independência de um Estado palestino viável, Israel corre o risco cada vez maior de ser associado ao Apartheid.

Importante – A ministra da Justiça israelense, Tzipi Livni, uma voz moderada dentro do governo de Netanyahu, condenou o confisco de terras palestinas em Israel

Obs, Não venham me dizer que só falo de Israel pois escrevo muito mais sobre a Guerra da Síria, do Iraque, a perseguição a minorias religiosas como os cristãos e avanço do ISIS do que sobre o conflito entre israelenses e palestinos. Aliás, escrevo sobre o ISIS e grupos similares há anos, e não há semanas, como muitos jornalistas

Não sei como faz para publicar comentários. Portanto pediria que comentem no meu Facebook (Guga Chacra)  e no Twitter (@gugachacra), aberto para seguidores

Guga Chacra, comentarista de política internacional do Estadão e do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários islamofóbicos, antissemitas, anticristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco são permitidos ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, na Rádio Estadão, na TV Estadão, no Estadão Noite no tablet, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor), no Instagram e no Google Plus.

Mais conteúdo sobre:

Guga Chacra