As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Apesar de tenso, segundo debate não afetará eleição

gustavochacra

17 de outubro de 2012 | 01h18

Eleições nos EUA 2012

Não houve um vencedor claro no debate desta terça-feira. Pesquisa da CNN dá uma vitória para Barack Obama por 46% a 39%, com quatro pontos de margem de erro para mais ou para menos. Mas Mitt Romney venceu, no mesmo levantamento, quando os entrevistados foram perguntados, separadamente, quem seria melhor para a economia, liderar o país, fazer política fiscal e de saúde.

No fim, o resultado do debate de ontem não altera o cenário. Democratas dirão que o presidente ganhou. Republicanos falarão o inverso. Para mim, ambos foram mal. Apesar disso, Obama segue sendo o favorito em dois para um, segundo as consultorias de risco político e as bolsas de apostas. Sua probabilidade de vencer ou de perder não aumentou. Depois do debate anterior, ela diminuiu e nunca voltou ao patamar anterior. Romney, para ser eleito, deverá ter uma atuação perfeita no terceiro debate e contar com erros do presidente. Não será simples.

O debate desta terça foi melhor ao abordar questões como imigração, direitos das mulheres e energia. Até a América Latina foi citada, por Romney, ao defender o livre comércio. Obama raramente menciona a região.

Vale lamentar o embate agressivo entre os dois em alguns momentos. Pareciam adolescentes brigando com a professora de mediadora. Aliás, mediadora que ajudou desnecessariamente Obama, que falou 5 minutos a mais do que Romney. Também interveio na questão da Líbia, defendendo o presidente. Não foi certo.

Leiam ainda o blog Radar Global. Acompanhem também a página do Inter do Estadão no Facebook

Comentários islamofóbicos, anti-semitas e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

O jornalista Gustavo Chacra, correspondente do jornal “O Estado de S. Paulo” e do portal estadão.com.br em Nova York e nas Nações Unidas desde 2009, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade ColumbiaTambém é comentarista do programa Em Pauta, na Globo News. Já fez reportagens do Líbano, Israel, Síria, Cisjordânia, Faixa de Gaza, Jordânia, Egito, Turquia, Omã, Emirados Árabes, Iêmen e Chipre quando era correspondente do jornal no Oriente Médio. Participou da cobertura da Guerra de Gaza, Crise em Honduras, Crise Econômica nos EUA e na Argentina, Guerra no Líbano, Terremoto no Haiti e crescimento da Al-Qaeda no Iêmen.  No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires. Este blog foi vencedor do Prêmio Estado de Jornalismo, empatado com o blogueiro Ariel Palacios


Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: