As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Apesar do isolamento, Assad tende a se manter no poder até o fim de 2012, segundo Eurasia

gustavochacra

01 de março de 2012 | 18h08

no twitter @gugachacra

Apesar do isolamento internacional, Bashar al Assad tende a se manter no poder até o fim de 2012. A avaliação é da consultoria de risco político Eurasia, uma das mais respeitadas do mundo. Em relatório publicado nesta semana, a agência estima em cerca de 50% a chance de ele manter o controle sobre todo o país. Além disso, existe uma possibilidade de 25% do líder sírio controlar algumas partes, mas não todo o território.

A probabilidade de Assad deixar o poder ainda neste ano também é de 25%, independentemente de ser através de uma saída negociada ou como resultado de um golpe militar. “Um ano depois do início dos levantes, o regime sírio provou ser bem mais resistente do que as expectativas de muitos analistas”, diz o texto da Eurasia.

A estratégia do regime, segundo a agência cujas análises são levadas em conta nas decisões de bancos e grandes corporações, “é usar a força militar para combater a oposição, enquanto introduz reformas para ganhar os moderados”.

Na avaliação da Eurasia, o controle de Assad sobre as Forças Armadas “permanece robusto”, a oposição está “dividida e fraca” e os rebeldes têm ganho força”, mas ainda não são uma ameaça ao regime. O principal obstáculo para o líder sírio é a deterioração da situação econômica.

Leiam ainda o blog Radar Global. Acompanhem também a página do Inter do Estadão no Facebook

Comentários islamofóbicos, anti-semitas e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

O jornalista Gustavo Chacra, correspondente do jornal “O Estado de S. Paulo” e do portal estadão.com.br em Nova York e nas Nações Unidas desde 2009, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já fez reportagens do Líbano, Israel, Síria, Cisjordânia, Faixa de Gaza, Jordânia, Egito, Turquia, Omã, Emirados Árabes, Iêmen e Chipre quando era correspondente do jornal no Oriente Médio. Participou da cobertura da Guerra de Gaza, Crise em Honduras, Crise Econômica nos EUA e na Argentina, Guerra no Líbano, Terremoto no Haiti e crescimento da Al-Qaeda no Iêmen. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires. Este blog foi vencedor do Prêmio Estado de Jornalismo, empatado com o blogueiro Ariel Palacios

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.