As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Assad enrola Annan – Parte 2

gustavochacra

02 de abril de 2012 | 16h17

no twitter @gugachacra

Voltei a Nova York e de cara escuto que a “Síria se comprometeu a retirar as suas tropas das cidades no dia 10 de abril”, segundo Kofi Annan, ex-secretário geral da ONU e mediador da crise em Damasco. Pode até ser que Bashar al Assad retire as suas forças. Mas, 24 horas depois, elas voltarão com o argumento de que a oposição não teria respeitado o cessar-fogo. Podem apostar.

Todos sabemos que, sem as tropas, Assad perderia imediatamente o controle de cidades como Homs, Idlib e provavelmente Hama, onde, diferentemente de Damasco e Aleppo, sua administração não é popular. O que ganharia em troca? Não adianta, a Síria está em guerra civil de baixa intensidade e esta prosseguirá por meses ou mesmo anos e pode ser que o regime saia vencedor – e está ganhando no momento.

Armar os opositores, como anunciado neste fim de semana, não solucionará absolutamente nada.

Barghouti

Mudando para Israel, a libertação da prisioneira que fez greve de fome veio em boa hora. Não dá para prender pessoas indefinidamente sem julgamento. Marwan Barghouti, por sua vez, foi transferido para a solitária com o argumento de que teria incentivado a violência. Na verdade, o líder palestino pediu resistência popular, sem mencionar ataques armados.

Leiam ainda o blog Radar Global. Acompanhem também a página do Inter do Estadão no Facebook

Comentários islamofóbicos, anti-semitas e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

O jornalista Gustavo Chacra, correspondente do jornal “O Estado de S. Paulo” e do portal estadão.com.br em Nova York e nas Nações Unidas desde 2009, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já fez reportagens do Líbano, Israel, Síria, Cisjordânia, Faixa de Gaza, Jordânia, Egito, Turquia, Omã, Emirados Árabes, Iêmen e Chipre quando era correspondente do jornal no Oriente Médio. Participou da cobertura da Guerra de Gaza, Crise em Honduras, Crise Econômica nos EUA e na Argentina, Guerra no Líbano, Terremoto no Haiti e crescimento da Al-Qaeda no Iêmen. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires. Este blog foi vencedor do Prêmio Estado de Jornalismo, empatado com o blogueiro Ariel Palacios

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.