As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Assad pode permanecer no poder, repetindo Mugabe, Bashir e Al Khalifa

gustavochacra

28 de março de 2012 | 10h14

O Plano de Annan para a Síria, por mais bem intencionado que seja, não dará certo. Conforme um opositor avaliou ontem em entrevista para CNN, mais como analista do que como político, a proposta visa acabar com a violência. Já o regime de Assad buscar se manter no poder. E a oposição quer derrubá-lo.

A comunidade internacional precisa começar a se acostumar com a possibilidade de Assad permanecer no poder por mais algum tempo, apesar de seus crimes contra a humanidade. Não se esqueçam que Robert Mugabe ainda governa o Zimbábue e Omar Bashir está no poder no Sudão. E, claro, a monarquia (ditadura) Al Khalifa de Bahrain também, depois do ignorado massacre da praça da Pérola

Os massacres em Darfur ainda não acabaram (não confundam Darfur com Sudão do Sul, onde também há problemas), o caos econômico e a repressão contra a oposição continua no Zimbábue. Estes assuntos apenas deixaram de chamar a atenção da opinião pública mundial – Bahrain, que concede abrigo para a Quinta Frota da Marinha americana, nunca foi..

Assad, hoje, busca ser o Saddam Hussein de 1991, pós guerra do Golfo. Ele se sustentou no poder por mais de uma década até ser deposto pela invasão americana. Não é impossível que ele consiga.

Acompanhem também a página do Inter do Estadão no
Facebook

Comentários islamofóbicos, anti-semitas
e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão
publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que
insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é
permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas
acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista
diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do
jornalista

O jornalista Gustavo Chacra,
correspondente do jornal “O Estado de S. Paulo” e do portal estadão.com.br em
Nova York e nas Nações Unidas desde 2009, é mestre em Relações
Internacionais pela Universidade Columbia. Já fez reportagens do
Líbano, Israel, Síria, Cisjordânia, Faixa de Gaza, Jordânia, Egito, Turquia,
Omã, Emirados Árabes, Iêmen e Chipre quando era correspondente do jornal no
Oriente Médio. Participou da cobertura da Guerra de Gaza, Crise em Honduras,
Crise Econômica nos EUA e na Argentina, Guerra no Líbano, Terremoto no Haiti e
crescimento da Al-Qaeda no Iêmen. No passado, trabalhou como correspondente da
Folha em Buenos Aires. Este blog foi vencedor do Prêmio Estado de Jornalismo,
empatado com o blogueiro Ariel Palacios 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.