As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Chávez nunca será um líder democrata como Mandela

gustavochacra

08 de outubro de 2012 | 11h30

Por que Hugo Chávez se considera superior? Afinal, na visão dele, ninguém pode assumir o governo em seu lugar, mesmo que seja um aliado. Apenas ele, Chávez, teria a capacidade de comandar a sua Revolução Bolivariana. Honestamente, isso não é democracia.

Em uma nação democrática, o governante deixa o poder quando acaba seu mandato. Nelson Mandela, isso mesmo, deixou a Presidência da África do Sul. Sabia que não era eterno. Na verdade, era um democrata e entrou para a história mundial.

Bill Clinton e Ronald Reagan, um democrata e um republicano, depois de oito anos na Casa Branca, precisaram e aceitaram abrir as portas para seus vices Al Gore e George Bush (o pai) disputarem eleições. Até na autoritária China, acreditem, existe rodízio no poder.

Honestamente, se você for chavista, por mais bizarra que seja esta qualificação para um brasileiro, me responda por que Chávez age desta forma? Quer se perpetuar no poder? Prefere ser um Bashar al Assad a um Nelson Mandela? Ninguém, nem mesmo seus maiores simpatizantes, é capacitado para assumir a Presidência? Os outros venezuelanos são seres inferiores na visão chavista?

Leiam ainda o blog Radar Global. Acompanhem também a página do Inter do Estadão no Facebook

Comentários islamofóbicos, anti-semitas e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

O jornalista Gustavo Chacra, correspondente do jornal “O Estado de S. Paulo” e do portal estadão.com.br em Nova York e nas Nações Unidas desde 2009, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já fez reportagens do Líbano, Israel, Síria, Cisjordânia, Faixa de Gaza, Jordânia, Egito, Turquia, Omã, Emirados Árabes, Iêmen e Chipre quando era correspondente do jornal no Oriente Médio. Participou da cobertura da Guerra de Gaza, Crise em Honduras, Crise Econômica nos EUA e na Argentina, Guerra no Líbano, Terremoto no Haiti e crescimento da Al-Qaeda no Iêmen. Também é comentarista do programa Em Pauta, na Globo News. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires. Este blog foi vencedor do Prêmio Estado de Jornalismo, empatado com o blogueiro Ariel Palacios

no twitter @gugachacra

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: