As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Como a queda no preço do petróleo pode ajudar a Arábia Saudita?

gustavochacra

10 de dezembro de 2014 | 18h23

O preço do barril de petróleo não para de despencar nos últimos meses. De cerca de US$ 110 em junho, caiu para praticamente US$ 60 nesta semana. A OPEP, porém, ao contrário de outras ocasiões de queda abrupta no valor do petróleo, optou por não cortar a produção com o objetivo de voltar a elevar o preço. Isso se deve a dois principais motivos.

Primeiro, a Arábia Saudita, que lidera a OPEP, sabe que o problema de queda no preço de petróleo desta vez envolve tanto a redução na demanda por desaceleração da economia mundial, assim como em 2009, como também por um aumento na oferta. Este crescimento na quantidade petróleo colocado no mercado se deve a avanços na técnica de prospecção chamada fracking nos EUA, aumentando a produção americana.

Este novo cenário reduziu o poder de fogo da OPEP. Mas os sauditas e seus aliados sabem que, se o preço do barril cair mais, será cada vez mais inviável o investimento em fracking nos EUA porque ficará caro demais. Empresas quebrarão ou diminuirão os investimentos. E os sauditas e a OPEP como um todo, por não terem necessidade de técnicas tão caras de prospecção em seus territórios, perderiam dinheiro no curto prazo, mas ganhariam no longo ao ver o enfraquecimento de seus rivais nos EUA.

O segundo motivo de a Arábia Saudita não ver problemas na queda do preço do petróleo está no enfraquecimento do Irã. Sem dúvida os cofres sauditas perderão dinheiro, mas menos do que os iranianos que enfrentam sanções e precisam vender o seu petróleo a um preço ainda mais baixo do que o do mercado. E, como sabemos, os iranianos são os principais rivais geopolíticos dos sauditas.

Não sei como faz para publicar comentários. Portanto pediria que comentem no meu Facebook (Guga Chacra)  e no Twitter (@gugachacra), aberto para seguidores

Guga Chacra, comentarista de política internacional do Estadão e do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários islamofóbicos, antissemitas, anticristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco são permitidos ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, na Rádio Estadão, na TV Estadão, no Estadão Noite no tablet, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor), no Instagram e no Google Plus.