As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Como é o apoio do Irã ao Hezbollah, Houthis, Assad e Iraque?

gustavochacra

02 de abril de 2015 | 09h53

Apenas a questão nuclear vem sendo negociada entre o Irã e as grandes potências mundiais, capitaneadas pelos Estados Unidos. Não se fala do apoio do regime de Teerã a grupos como o Hezbollah, milícias xiitas do Iraque, regime de Bashar al Assad e houthis.

No caso do apoio de grupos na região, temos que diferenciar dependendo do país. O Hezbollah, no Líbano, tem uma ligação fraternal com as Guardas Revolucionárias. Não existiria se não fosse o Irã. O mesmo vale para algumas milícias xiitas iraquianas. Mas o cenário é diferente para o regime de Bashar al Assad, que possui apenas uma aliança estratégica, mas não ideológica, e para os houthis, com uma ligação bem inferior ao regime de Teerã do que a propagada no exterior.

Irã e os Houthis

Os iranianos não se arriscarão para defender os houthis, assim como não se arriscaram para defender os xiitas de Bahrain que foram massacrados pela monarquia Al Khalifa e seus aliados sauditas. Sem falar que os houthis não são xiitas, mas seguidores do zaydismo, uma outra vertente do islamismo.

Irã e as milícias xiitas do Iraque

No caso dos xiitas do Iraque, são fundamentais para combater a Al Qaeda e o ISIS (Grupo Estado Islâmico). Perderiam, porém, força com o fortalecimento do governo iraquiano, por si só um aliado iraniano.

Irã e Assad

Assad tem importância por causa do Hezbollah. Não fosse por isso, os iranianos não perderiam tempo o protegendo. O líder sírio, por sua vez, até negociou, ainda que sem sucesso, a paz com Israel. Mudaria de lado dependendo do contexto. É bobagem quando dizem haver ligação religiosa. O líder sírio é laico e muçulmano alauíta, casado com uma sunita, e apoiado por cristãos, drusos e a elite sunita. Os xiitas quase inexistem na Síria e são politicamente insignificantes.

Irã e o Hezbollah

Já o Hezbollah serve para o Irã como garantia de dissuasão contra Israel. Sem a bomba atômica, o regime de Teerã mantém esta milícia ultra bem armada de prontidão para agir contra os israelenses em caso de uma guerra. Suponha que Netanyahu bombardeie instalações nucleares no Irã – provavelmente, a resposta iraniana imediata seria via Hezbollah.

Guga Chacra, comentarista de política internacional do Estadão e do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários islamofóbicos, antissemitas, anticristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco são permitidos ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, na Rádio Estadão, na TV Estadão, no Estadão Noite no tablet, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor), no Instagram e no Google Plus.