As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Como funciona a propaganda anti-Assad da ditadura saudita?

gustavochacra

03 de junho de 2015 | 10h19

Qual a acusação contra Assad?

Vocês devem ter lido nos últimos dias que as forças de Bashar al Assad estariam apoiando o ISIS, também conhecido como Grupo Estado Islâmico ou Daesh. Esta informação faz parte de uma iniciativa de relações públicas (propaganda) de uma federação de grupos rebeldes ultra-extremistas ligados à Al Qaeda (Frente Nusrah) denominado Jaysh el Fatah e apoiados pela Arábia Saudita, Turquia e Qatar, com o aval parcial dos EUA.

Qual o argumento desta teoria?

Segundo esta teoria, Assad estaria facilitando a chegada do ISIS a Aleppo para enfrentar a Al Qaeda e também teria permitido que esta organização não enfrentasse resistência em Palmyra. Como diz o New York Times, estas acusações foram feitas pelos grupos “rebeldes” (Al Qaeda é chamada de rebelde quando luta contra Assad e de terrorista quando luta contra aliados dos EUA) e pela Embaixada dos EUA na Síria (que cita os mesmos rebeldes), sem apresentar provas.

Por que é esta acusação não é verdadeira?

Mas é fácil desmontar esta teoria de alianças entre Assad e o ISIS. Antes de continuar, que fique claro, o regime de Assad cometeu sim crimes contra a humanidade na Guerra da Síria, de acordo com as Nações Unidas e outros relatos independentes. Isso não significa que seja aliado do ISIS. Não é. É inimigo.

Explique o caso de Aleppo

Comecemos por Aleppo. Em primeiro lugar, o regime de Assad ainda controla a maior parte da segunda mais importante cidade da Síria com seu Exército e o apoio de milícias aliadas, conhecidas como shabiha, muitas delas cristãs. Qual seria o interesse de Assad em trazer um inimigo poderoso como o ISIS para Aleppo, uma cidade fundamental para a manutenção do regime?

E o caso de Palmyra

No caso de Palmyra, é ainda mais bizarro. Dezenas ou mesmo centenas de soldados e oficiais sírios foram incinerados ou decapitados pelo ISIS quando a cidade foi tomada. Simplesmente, o regime perdeu esta batalha para o ISIS porque tem dificuldades em lutar em áreas onde não conta com o apoio do Hezbollah e do Irã, conforme já mostrei aqui no blog. O grupo libanês e o regime iraniano possuem interesse apenas na região fronteiriça com o Líbano, que vai de Damasco, passando por Homs e as montanhas Qalamoun, onde junto com Assad lutam contra o ISIS, e chegando à Costa Mediterrânea.

Qual o papel do ditador da Arábia Saudita, o rei Salman, nesta campanha de propaganda?

O que mudou, agora, é regime saudita, que adota a e difunde a ideologia  extremista wahabbita, a mesma do ISIS (e também da Al Qaeda, Boko Haram, Taleban e Al Shabab), perseguindo minorias religiosas e com Apartheid contra as mulheres – judeu seria esmagado até a morte se ousasse circular de quipá pelas ruas de Riad, apesar da “parceria” geopolítica entre a ditadura saudita e Israel.

O novo ditador saudita, chamado Rei Salman (no mundo árabe, com raras exceções rei é equivalente a ditador), é o que se chama de “falcão” nos EUA e decidiu se envolver abertamente em conflitos no Oriente Médio. No Yemen, promove uma guerra na qual indiretamente apoia a Al Qaeda na Península Arábica. Na Síria, diretamente, apoia uma coalizão com a presença da Al Qaeda. Em Washington, usa o seu lobby e sua máquina de propaganda para tentar evitar um acordo entre os EUA e o Irã na questão nuclear.

Tem algum lado bom na Guerra da Síria?

Insisto, na Guerra da Síria, absolutamente todos os lados são ruins – o ISIS, os “rebeldes” apoiados pelos sauditas e turcos, incluindo a Al Qaeda, Assad, o Hezbollah, o Irã, a Arábia Saudita e todos os atores envolvidos no conflito. Vamos parar de ser ingênuos. Existe uma campanha da Arábia Saudita para tentar convencer Obama a intervir militarmente contra Assad na Síria e enfraquecer o Irã. O resultado seria um regime comandado pela Al Qaeda ou pelo ISIS em Damasco, a poucos quilômetros do Líbano e de Israel, as únicas duas democracias do Oriente Médio, sendo uma delas com identidade cristã e a outra, judaica, embora ambas multireligiosas.

E Obama?

O presidente americano é mais sofisticado do que isso para cair no conto do lobby saudita e de seus aliados na capital americana. Pelo menos por enquanto.

Guga Chacra, comentarista de política internacional do Estadão e do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários islamofóbicos, antissemitas, anticristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco são permitidos ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista
Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, na Rádio Estadão, na TV Estadão, no Estadão Noite no tablet, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor), no Instagram e no Google Plus