As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Como funciona uma “convenção dividida” no Partido Republicano dos EUA?

gustavochacra

08 de março de 2016 | 11h07

Tenho recebido muitas perguntas sobre o que é uma “Contested Convention”, também chamada de “Split Convention” ou “Brokored Conventiom” nas eleições americanas. Basicamente, é uma convenção na qual nenhum dos candidatos nas primárias alcançou a maioria dos delegados distribuídos ao longo das prévias. Vou explicar, abaixo, como funciona no Partido Republicano (é impossível no Partido Democrata neste ano pois há apenas dois candidatos e um, pela lógica matemática, terá 50% dos delegados)

Como são alocados os delegados e quantos são necessários para vencer?

O candidato precisa de 1.237 delegados para ser o escolhido. Os delegados são alocados através das primárias e cáucus. As regras variam de Estado para Estado. No começo, são distribuídos de forma proporcional ao número de votos, com um piso mínimo necessário. Em alguns Estados, pelos distritos. Isto é, se você vence em determinado distrito, você leva o delegado que representa esta área.

A partir do dia 15 deste mês, a distribuição passa a ser “Winner takes all” (vencedor leva todos). Isto é, o vencedor da prévia em um Estado leva todos os delegados. Por exemplo, se o candidato vencer na Califórnia com 40% dos votos contra 39% do adversário, ele terá 100% dos delegados e o rival, zero.

Como está a classificação por delegados no Partido Republicano?

Donald Trump (empresário) – 384

Ted Cruz (senador pelo Texas) – 300

Marco Rubio (senador pela Florida) – 151

John Kasich (governador de Ohio) – 37

Todos estão, portanto, bem distantes dos 1.237 delegados necessários. Mas ainda faltam ser distribuídos 1.585.

Por que a Florida e Ohio são importantes?

Hoje, ocorrem uma série de prévias no Havaí (19 delegados), Idaho (32), Michigan (59) e Mississippi (40). Destes Estados, o mais importante é Michigan, que distribuirá 59 delegados proporcionalmente. Mas os olhos dos candidatos estão no dia 15 de Março, quando ocorrem primárias na Florida (99), Ohio (66), Illinois (69), Carolina do Norte (72) e Missouri (52). Todos serão “winner takes all”. Mais importante, devem decidir se dois candidatos continuam na disputa – Rubio e Kasich.

Rubio é senador pela Florida. Caso não vença em seu próprio Estado, terá poucos argumentos para continuar na corrida eleitoral. O mesmo vale para Kasich em Ohio, onde é governador.

Qual a estratégia do Partido Republicano para barrar Trump?

O establishment do Partido Republicano torce por vitória dos dois. Assim, impediria que Trump acumulasse mais delegados. O objetivo é impedir que ele alcance a maioria. Ao longo dos meses, os quatro candidatos iriam vencendo em diferentes Estados, o que provocaria a “Contested Convention”.

Como funciona a Contested Convention?

Na Contested Convention, depois do primeiro voto, quando são obrigados a votar no candidato para o qual foram alocados, os delegados ficam livres para votar em quem quiser. Segue-se uma série de negociações para tentar definir o nome de quem será o escolhido. Pode ser um dos candidatos ou pode ser um outro político de consenso, como Mitt Romney, candidato em 2012, ou Paul Ryan, presidente da Câmara dos Deputados.

Quais os riscos de barrar Trump na convenção?

Há riscos, no entanto, pois o eleitorado de Trump pode ficar revoltado caso ele tenha a pluralidade dos votos, embora não a maioria. Trump também pode se sentir trapaceado e lançar uma candidatura independente, o que basicamente serviria para eleger Hillary Clinton presidente com a divisão dos votos dos republicanos. Para o establishment republicano, cada vez mais, é melhor ver a ex-secretária de Estado no poder, com todas as críticas que fazem a ela, em vez de um bufão populista com traços fascistas.

Guga Chacra, blogueiro de política internacional do Estadão e comentarista do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários na minha página no Facebook. Peço que evitem comentários islamofóbicos, antissemitas, anticristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores. Também evitem ataques entre leitores ou contra o blogueiro.  Não postem vídeos ou textos de terceiros. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a minha opinião e não tenho condições de monitorar todos os comentários

Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor) e no Instagram