As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Como Israel-Palestina ajuda a entender a relação da Turquia-Curdistão

gustavochacra

20 de outubro de 2014 | 13h03

Os grupos militares curdos são para a Turquia o que o Hamas é para Israel. Por este motivo, os turcos relutam tanto em ajudar os curdos sírios da cidade de Kobani. Seria como se Israel entrasse na Síria para de ataques do regime de Bashar al Assad os refugiados palestinos em campos controlados pelo Hamas nos arredores de Damasco. E note que este cenário, literalmente, ocorreu e os israelenses não entraram.

Antes de prosseguir, primeiro, temos de entender que os curdos se espalham por quatro países – Turquia, Síria, Iraque e Irã. E o governo turco tem uma relação distinta com cada um deles.

Curdos na Turquia

O governo de Recep Tayyp Erdogan ampliou os direitos dos curdos na Turquia, permitindo que eles possam ter publicações na língua curda e este idioma também passou ser ensinado nas escolas de áreas curdas do país. Mas o PKK, principal organização curda, ainda é visto como um grupo terrorista responsável pela morte de milhares de pessoas e seu líder Abdullah Ocalan está preso em uma ilha no Mar de Marmara

Curdos no Irã

Para a Turquia, este é um problema do Irã, não deles

Curdos do Iraque

A Turquia mantém boas relações com a região autônoma do Curdistão

 Curdos da Síria

A Turquia os vê como adversários. A principal organização dos curdos sírios é PYD, aliado do PKK. Além disso, o governo de Erdogan os acusa de serem aliados de Assad – na verdade, o líder sírio concedeu maior autonomia a eles depois do início da guerra civil

Dá para dizer que os curdos do Iraque seriam, para a Turquia, o equivalente dos palestinos da Cisjordânia para Israel. Os curdos do Irã seriam para a Turquia o equivalente dos palestinos da Jordânia para Israel. Os habitantes civis curdos da Turquia e da Síria não seriam um problema para os turcos, assim como os civis palestinos de Gaza não são um problema para Israel. Aliás, os cidadãos curdos da Turquia seriam o equivalente dos árabes cidadãos de Israel.

Mas o PKK e o PYD são para a Turquia e o que o Hamas e o Jihad Islâmico são para Israel, como escrevi acima – grupos terroristas, embora os curdos não os enxerguem desta forma. Para eles, são organizações que lutam pelos curdos contra a repressão da Turquia. Portanto, como escrevi no passado, os curdos, para a Turquia, são considerados uma ameaça maior do que o ISIS, também conhecido como ISIL, Grupo Estado Islâmico e Daesh.

A afirmação do chanceler turco hoje de que pode facilitar a passagem dos Pesh Merga é uma minúscula concessão às pressões dos EUA. Se a Turquia quisesse, derrotaria o ISIS em poucos dias ou semanas na região de Kobani. Mas optou por não fazer nada.

Não sei como faz para publicar comentários. Portanto pediria que comentem no meu Facebook (Guga Chacra)  e no Twitter (@gugachacra), aberto para seguidores

Guga Chacra, comentarista de política internacional do Estadão e do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários islamofóbicos, antissemitas, anticristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco são permitidos ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, na Rádio Estadão, na TV Estadão, no Estadão Noite no tablet, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor), no Instagram e no Google Plus. Escrevam para mim no gugacha


Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.