As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Como o lugar mais seguro da Síria foi atacado pelo ISIS?

gustavochacra

24 Maio 2016 | 12h20

A Guerra da Síria, conforme já escrevi aqui diversas vezes, não atinge o país todo na mesma intensidade. É possível passar uma semana em Damasco sem ver destruição causada pelo conflito, embora subúrbios a alguns quilômetros do centro tenham virado ruínas.

De todas, a região mais imune ao conflito se localiza na faixa mediterrânea de Tartus até Latakia. São bastiões do regime que não foram bombardeados. Historicamente, é uma área geográfica mais laica, com expressiva população alauíta e cristã, além de muçulmanos sunitas mais moderados.

Claro, não que a vida em Tartus seja perfeita. Há dezenas de milhares de deslocados internos de outras áreas destruídas pela guerra. Muitos jovens foram mortos lutando a favor do regime em outras partes da Síria. Mas, no geral, a vida segue razoavelmente normal, não muito diferente do Líbano a poucos quilômetros de distância.

A estabilidade e a tolerância religiosa na costa mediterrânea inclusive serve de argumento de propaganda para alguns dizerem que o regime de Assad é bem melhor do que as áreas controladas pela oposição e pelo ISIS (Grupo Estado Islâmico ou Daesh), onde pessoas são mortas pela religião.

Os ataques terroristas do ISIS ontem a Tartus e outras cidades mediterrâneas, porém, deixaram mais de cem mortos e traumatizaram estes sírios que se sentiam relativamente seguros e protegidos pelo regime.

É difícil explicar, mas é extremamente complicado realizar um atentado em Tartus. Os terroristas teriam de passar por dezenas de postos de controle com explosivos e enganar uma série de agentes de segurança que conhecem os habitantes de Tartus pelo nome.

Guga Chacra, blogueiro de política internacional do Estadão e comentarista do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários na minha página no Facebook. Peço que evitem comentários islamofóbicos, antissemitas, anticristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores. Também evitem ataques entre leitores ou contra o blogueiro.  Não postem vídeos ou textos de terceiros. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a minha opinião e não tenho condições de monitorar todos os comentários

Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor) e no Instagram