As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

De 2010 a 2012 – Obama ainda pode repetir Reagan e Clinton

gustavochacra

27 de outubro de 2010 | 10h12

COMENTÁRIOS SOBRE AS ELEIÇÕES BRASILEIRAS NÃO SERÃO PUBLICADOS

A popularidade de Barack Obama está em queda. Segundo a maior parte das pesquisas, o presidente americano possui pouco mais do que 40% de apoio. Nas eleições para o Congresso, os republicanos devem assumir o controle da Câmara dos Deputados e têm condições de conquistar a maioria também no Senado.

Alguns analistas se antecipam para dizer que dificilmente Obama conseguirá se reeleger. Discordo. Primeiro, a popularidade do atual presidente supera às de Reagan e Clinton no mesmo período do primeiro mandato, apesar de Obama ter que lidar com uma taxa de desemprego que é mais do que o dobro da média tradicional. Tanto Reagan quanto Clinton também viram seus partidos serem derrotados nas eleições para o Congresso depois de dois anos no poder.

Para completar, na história recente americana, candidatos apenas não foram reeleitos quando tiveram que enfrentar primárias. Foi o caso de George Bush pai e de Jimmy Carter. Como Hillary Clinton está no governo de Obama, está praticamente descartado que alguém enfrente o atual presidente.

Basicamente, ainda é cedo para dizer que Obama perderá ou vencerá as eleições presidenciais de 2012.

Comentários islamofóbicos, anti-semitas e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes

O jornalista Gustavo Chacra, mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia, é correspondente de “O Estado de S. Paulo” em Nova York. Já fez reportagens do Líbano, Israel, Síria, Cisjordânia, Faixa de Gaza, Jordânia, Egito, Turquia, Omã, Emirados Árabes, Yemen e Chipre quando era correspondente do jornal no Oriente Médio. Participou da cobertura da Guerra de Gaza, Crise em Honduras, Crise Econômica nos EUA e na Argentina, Guerra no Líbano, Terremoto no Haiti e crescimento da Al Qaeda no Yemen. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires. Este blog foi vencedor do Prêmio Estado de Jornalismo em 2009, empatado com o blogueiro Ariel Palacios

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.