De Aleppo a Alexandria – O fim dos judeus árabes
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

De Aleppo a Alexandria – O fim dos judeus árabes

gustavochacra

23 de agosto de 2010 | 08h50

As cidades mais cosmopolitas do mundo árabe eram as que possuíam judeus. De Alexandria a Aleppo, de Beirute a Bagdá, a comunidade judaica estava presente com suas sinagogas, suas lojas, seus médicos e sua cultura. Eram árabes, de religião judaica. Assim como até hoje temos os árabes cristãos, os árabes sunitas, os árabes xiitas e os árabes druzos.

Em Beirute, tentei encontrar judeus para uma reportagem. Fracassei. Sei que existem algumas dezenas, que não formam uma comunidade. Eles não se reúnem e tampouco possuem um rabino. O fim dos judeus no Líbano ocorreu nos anos 1980, apesar de ter começado cerca de 20 anos antes, com a chegada da OLP. Na Síria, eles duraram mais, até os anos 1990, sendo tratados como cidadãos de segunda classe. Também tentei achá-los na cidade velha de Damasco. Mais uma vez, não tive sucesso, apesar de alguns poucos ainda viverem na capital síria.

DSCN0209

Foto da entrada da sinagoga de Beirute, que começou a ser reconstruída. Na guerra do Líbano, nos anos 1980, foi atingida acidentalmente em ataque de Israel

Os judeus de Alexandria e do Cairo se foram na época de Nasser. Os judeus iraquianos, que formavam a elite de Bagdá, também partiram depois da formação do Estado de Israel. A comunidade judacia do Yemen ainda sobrevive. Mas os últimos que restaram irão embora nas próximas semanas.

Em algumas décadas, talvez não exista mais o judeu árabe. Eles serão extintos. Alguns se tornarão parte do caldeirão cultural israelense. Outros vivem no Brasil, na Argentina, nos Estados Unidos. Com o passar das gerações, a identidade árabe deles se esvaziará.

Essa é uma das histórias mais tristes do Oriente Médio. A história dos judeus árabes que não existem mais.

Comentários islamofóbicos, anti-semitas e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes

O jornalista Gustavo Chacra, mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia, é correspondente de “O Estado de S. Paulo” em Nova York. Já fez reportagens do Líbano, Israel, Síria, Cisjordânia, Faixa de Gaza, Jordânia, Egito, Turquia, Omã, Emirados Árabes, Yemen e Chipre quando era correspondente do jornal no Oriente Médio. Participou da cobertura da Guerra de Gaza, Crise em Honduras, Crise Econômica nos EUA e na Argentina, Guerra no Líbano, Terremoto no Haiti e crescimento da Al Qaeda no Yemen. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires. Este blog foi vencedor do Prêmio Estado de Jornalismo em 2009, empatado com o blogueiro Ariel Palacios

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.