As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

De Aushwitz a Darfur – No dia do Holocausto, Bashir disputa eleição no Sudão

gustavochacra

12 de abril de 2010 | 11h17

Hoje é o dia que marca o Holocausto. Seis milhões de judeus e outras minorias, como ciganos (romas) e homossexuais, foram mortos em escala industrial pelo regime nazista. Algumas pessoas ainda questionam estes números como se a morte de mesmo 2 milhões fosse pouco. Não dá para entender. E, ironicamente, a data neste ano bate com a eleição presidencial de Omar Bashir no Sudão.

O Tribunal Penal Internacional indiciou o líder sudanês por crimes de guerra e contra a humanidade. Milícias com o apoio de seu governo teriam levado adiante o massacre de 300 mil pessoas, no segundo maior genocídio em andamento no mundo. Afinal, Darfur pelo menos conta com enorme simpatia internacional. Já o Congo, onde mais de um milhão morreu, poucos se interessam. Não que deveríamos diminuir nosso foco em Darfur. Mas deveríamos ampliá-lo para o Congo.

O dia do Holocausto também coincide com a convenção contra o terrorismo nuclear organizada por Barack Obama em Washington, onde estou. Talvez o maior risco de genocídio hoje no Ocidente seria o de uma organização como a Al Qaeda colocar as mãos em uma arma atômica, ainda que suja, e a utilize em grandes centros populacionais como Nova York ou Londres. Seria o genocídio imediato, com a morte de milhares de pessoas em minutos, similar ao realizado pelos Estados Unidos em Hiroshima e Nagazaki, e diferente do sofrido por armênios e judeus, que durou anos. Não digo que um seja pior ou melhor. São genocídios, simplesmente.

O presidente americano, conforme escrevi aqui outro dia, também poderia dar um passo adiante na luta contra o genocídio e reconhecer o Holocausto dos armênios. É inaceitável, nos dias atuais, que os EUA e outros países, incluindo Israel, tenham medo de colocar em cheque as suas relações com a Turquia e condenem o primeiro grande genocídio do século 20. O Líbano mantém ótimas relações com Ancara sem deixar de reconhecer o Holocausto armênio. O líder iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, também deve ser condenado neste dia do Holocausto. Ele coloca em dúvida este episódio – não o nega formalmente – apenas para provocar Israel em uma ação que beira o anti-semitismo. E, claro, Bashir segue firme e forte no poder.

Obs. Peguei ontem um trem na Penn Station, em Nova York, e vim para Washington. Como sempre, não passei por detector de metal e minha bagagem não foi inspecionada por um aparelho de raio-x. Nem a minha, nem a de nenhum dos centenas de viajantes. Facilmente, quatro terroristas poderiam ter embarcado com as suas malas repletas de explosivos e os detonado no centro de uma destas cidades. Enquanto isso, Obama discute o terrorismo com outros 46 líderes internacionais, milhares de pessoas tiram os sapatos no aeroporto, outros jogam a pasta de dente no lixo e o babaca de Qatar faz piadas infelizes depois de fumar no banheiro.

Comentários islamofóbicos, anti-semitas e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes

Perfil (a ferramenta ao lado não funciona) – O jornalista Gustavo Chacra, mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia, é correspondente de “O Estado de S. Paulo” em Nova York. Já fez reportagens do Líbano, Israel, Síria, Cisjordânia, Faixa de Gaza, Jordânia, Egito, Turquia, Omã, Emirados Árabes, Yemen e Chipre quando era correspondente do jornal no Oriente Médio. Participou da cobertura da Guerra de Gaza, Crise em Honduras, Crise Econômica nos EUA e na Argentina, Guerra no Líbano, Terremoto no Haiti e crescimento da Al Qaeda no Yemen. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires. Este blog foi vencedor do Prêmio Estado de Jornalismo em 2009

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.