As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

De Beirute a Jerusalém – As mentiras e as verdades sobre o Oriente Médio

gustavochacra

16 de fevereiro de 2011 | 12h52

No twitter @gugachacra 

Vim de Nova York para São Paulo por uma semana. Neste domingo, haverá encontro dos leitores do blog no bar Empório, na Vila Madalena, às 14h. Todos estão convidados.

Este será um dos posts mais curtos e mais importantes que já escrevi. O Oriente Médio de hoje não tem relação com o nazismo. Ahmadinejad não é Hitler. Nem o Ariel Sharon. Não existem campos de concentração palestinos. A população palestina não sofre genocídio. A Irmandade Muçulmana não quer eliminar Israel do mapa.

Critiquem o que existe. Ahmadinejad dá declarações anti-semitas e provoca instabilidade na região. O Hamas ataca Israel com foguetes. O Hezbollah tem uma meta de longo prazo de destruir Israel. Os israelenses ainda ocupam ilegalmente a Cisjordânia e as colinas do Golã. Gaza sofre bloqueio terrestre, marítimo e aéreo. 

 A solução para o conflito de israelenses e palestinos seria a criação, mediante acordo, de uma Palestina independente vivendo em paz e segurança ao lado de Israel. Não há lógica realista nas disputas entre Israel e Irã. E o Hezbollah é uma ameaça para o Oriente Médio até que suas facções mais moderadas, ligadas à Síria, prevaleçam sobre as pró-Irã dentro da organização. Este confronto intra-Hezbollah, mais do que qualquer coisa, afetará a paz na região.

     Comentários islamofóbicos, anti-semitas e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes

O jornalista Gustavo Chacra, mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia, é correspondente de “O Estado de S. Paulo” em Nova York. Já fez reportagens do Líbano, Israel, Síria, Cisjordânia, Faixa de Gaza, Jordânia, Egito, Turquia, Omã, Emirados Árabes, Yemen e Chipre quando era correspondente do jornal no Oriente Médio. Participou da cobertura da Guerra de Gaza, Crise em Honduras, Crise Econômica nos EUA e na Argentina, Guerra no Líbano, Terremoto no Haiti e crescimento da Al Qaeda no Yemen. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires. Este blog foi vencedor do Prêmio Estado de Jornalismo em 2009, empatado com o blogueiro Ariel Palacios

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.