As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

De Brasília à Cisjordânia – Palestinos querem dar um xeque-mate em Israel

gustavochacra

03 de dezembro de 2010 | 15h57

Os palestinos desistiram de esperar um acordo cada vez mais distante com Israel. Foram quase duas décadas desde o início dos acordos de Oslo e a Palestina, como país, ainda não existe. Não interessa de quem é a culpa. Todos cometeram equívocos – palestinos, israelenses, americanos e a comunidade internacional.

Sem saída, o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, e seu premiê, Salam Fayyad, decidiram mudar de estratégia. Eles não são como Yasser Arafat, completamente inábil para lidar com a opinião pública internacional. Os dois são preparados e sabem como fazer relações públicas.

Nesta nova estratégia, eles buscam o reconhecimento da Palestina independentemente de Israel e dos Estados Unidos. O Brasil já reconheceu, assim como mais de cem países. A questão pode ser levada ao Conselho de Segurança da ONU, onde os americanos certamente iriam vetar. Neste caso, os palestinos dariam o xeque-mate. Pediriam a criação de seu Estado para a Assembleia Geral das Nações Unidas, onde certamente teriam maioria.

Israel não teria como dizer que a decisão da Assembleia não vale, pois foi este mesmo órgão da ONU que criou o Estado israelense em 1947. No próximo ano, teremos grandes acontecimentos envolvendo palestinos e israelenses.

Comentários islamofóbicos, anti-semitas e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes


O jornalista Gustavo Chacra, mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia, é correspondente de “O Estado de S. Paulo” em Nova York. Já fez reportagens do Líbano, Israel, Síria, Cisjordânia, Faixa de Gaza, Jordânia, Egito, Turquia, Omã, Emirados Árabes, Yemen e Chipre quando era correspondente do jornal no Oriente Médio. Participou da cobertura da Guerra de Gaza, Crise em Honduras, Crise Econômica nos EUA e na Argentina, Guerra no Líbano, Terremoto no Haiti e crescimento da Al Qaeda no Yemen. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires. Este blog foi vencedor do Prêmio Estado de Jornalismo em 2009, empatado com o blogueiro Ariel Palacios

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.