As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

De Nova York a Gainesville – Uma viagem para a cidade do pastor radical e do prefeito gay

gustavochacra

10 de setembro de 2010 | 09h32

Não pude responder a todos os comentários ontem porque viajei para Gainesville, na Flórida (a cidade do pastor Terry Jones). O relato da viagem segue abaixo. No fim, o pastor Jones aparentemente voltou atrás na decisão de queimar as 200 cópias do Alcorão. Também quero aproveitar este post para convidar a todos para o encontro dos leitores neste sábado, 11 de Setembro. Como vivo em Nova York, não poderei ir. O Fabio Nog é organizador deste o grupo composto por pessoas tão diversas como o Ali e o José Antonio. O endereço do bar está no final do post.

Diferentemente dos últimos dias, hoje serei rigoroso na publicação dos comentários.

Relato da viagem a Gainesville

O 11 de Setembro de 2010 seria marcado em Gainesville pela estreia da poderosa equipe de futebol americano da Universidade da Flórida, os Gators, na temporada deste ano. Toda a polícia metropolitana seria usada para reforçar o estádio, onde também estaria o prefeito, Craig Lowe, homossexual assumido que sempre defendeu a tolerância na cidade do interior da Flórida.

O problema é que o pastor Terry Jones, figura marginal deste centro estudantil, tornou Gainesville mais famosa internacionalmente do que os títulos dos Gators ao anunciar que pretendia queimar 200 cópias do Alcorão amanhã, aniversário dos ataques terroristas de 2001. Apesar da posterior desistência, sua atitude atraiu jornalistas do mundo todo para a cidade de cerca de 100 mil habitantes. O gramado da sua igreja, a cerca de 10 km do centro, estava ocupado por furgões das grandes redes de TV.

A entrada tem uma placa destruída com o nome da igreja de Jones, Dove World Outreach Center (em tradução livre, “centro para alcançar a paz no mundo”). Na frente de três cartazes com os dizeres em vermelhos “Islam”, “is of the” e “devil” (o Islã é do demônio) – diante do templo, que nada mais é do que um galpão mal-construído com uma cruz -, um grupo de motoqueiros estava reunido para defenderem o “direito à liberdade de expressão previsto na Constituição americana”, segundo explicou um deles.

Antes de o pastor anunciar o cancelamento da manifestação, John Clark, de cerca de 40 anos, veterano da Guerra do Golfo, afirmava não haver necessidade de discutir se era “certo ou errado o que ele quer fazer”.

Em seguida, falando com os amigos, acrescentou: “Não existem muçulmanos moderados. Há os que mentem ou os que não leram o Alcorão. Diferentemente da Bíblia, este livro prega a violência.” Ao lado dele, outro motoqueiro, com bandana na cabeça e barriga saliente completou: “O Islã é violento. Isso é um fato, assim como é um fato eu ser gordo. Muitas pessoas não leem, mas eu dei uma olhada em partes do Alcorão na internet.”

Já com 70 anos, um aposentado que preferiu ser identificado apenas como Warren, irritou-se com os motoqueiros. “Eles não entendem que este pastor apenas quer chamar a atenção”, disse. E conseguiu. Até o presidente Barack Obama e a secretária de Estado Hillary Clinton dirigiu-se a ele para pressioná-lo para que não levasse adiante sua iniciativa de queimar os exemplares do Alcorão.

Pressão total. A pressão sobre Jones se intensificou. A polícia da cidade advertiu que enviaria a conta dos custos com a segurança do pastor e seus seguidores para Jones – alerta que pode ter sido fundamental na decisão de cancelar o protesto.

Além disso, o corpo de bombeiros da cidade evocou uma norma municipal que proíbe fogueiras que ocupem uma área maior de um metro quadrado, sob pena da imposição de multas pesadas.

A maioria dos habitantes da cidade esforçou-se nos últimos dias para mostrar Gainesville como um lugar tolerante. Líderes religiosos da região, incluindo muçulmanos, se reuniram à tarde num ato multi-religioso para defender o Islã. O prefeito Lowe também participou.

Ele, desde o início, tem liderado a campanha contra Jones. Quando disputou e venceu as eleições para a prefeitura, Lowe foi duramente atacado por Jones. O pastor, depois do resultado da eleição, promoveu um ato diante da prefeitura afirmando que não aceitaria um prefeito gay, sob o argumento de que “o homossexualismo é um crime”.

No câmpus da Universidade Flórida, os alunos veteranos tentavam integrar os calouros, convidando-os para participar de grupos a favor do direito ao aborto, do homossexualismo e do sexo seguro, com distribuição de camisinhas. O estudante Mattew Parrish, cristão metodista, acusava Jones de mudar as palavras da Bíblia. “Ele não deveria dizer que o Islã é o demônio”, disse. Uma outra estudante cristã mandou confeccionar centenas de pulseiras com os dizer “O Islã é do coração”.

O Gainesville Sun, principal jornal da cidade, há algum tempo tenta desmascarar Jones, que chegou a viver na Alemanha, onde integrava uma igreja em Colônia. Deixou o país depois de acusações de que fraudes financeiras, de acordo com a Der Spiegel. Sua própria filha se recusa a falar com ele. Na Flórida, ele também foi acusado de violações fiscais ao usar a igreja também para vender móveis.

Local do Encontro dos Leitores

Dia: 11 de setembro, sábado

Horário: a partir das 14 hs

Local: Empório Alto dos Pinheiros (www.altodospinheiros.com.br), fone 3031-4328

Comentários islamofóbicos, anti-semitas e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes

O jornalista Gustavo Chacra, mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia, é correspondente de “O Estado de S. Paulo” em Nova York. Já fez reportagens do Líbano, Israel, Síria, Cisjordânia, Faixa de Gaza, Jordânia, Egito, Turquia, Omã, Emirados Árabes, Yemen e Chipre quando era correspondente do jornal no Oriente Médio. Participou da cobertura da Guerra de Gaza, Crise em Honduras, Crise Econômica nos EUA e na Argentina, Guerra no Líbano, Terremoto no Haiti e crescimento da Al Qaeda no Yemen. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires. Este blog foi vencedor do Prêmio Estado de Jornalismo em 2009, empatado com o blogueiro Ariel Palacios

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.