As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

De NY a Jerusalém – Processo de paz divide comunidade judaica entre Obama e Netanyahu

gustavochacra

24 de maio de 2011 | 11h04

no twitter @gugachacra

Não são todos os judeus dos Estados Unidos e todos os israelenses que apóiam Benjamin Netanyahu e estão contra o presidente Barack Obama. A comunidade judaica americana está distante de ser homogênea, assim como a população de Israel adota posições distintas sobre qual deve ser o destino do processo de paz.

O atual presidente americano não teve 80% dos votos de judeus americanos por ser pró-Israel. Muitos votaram nele por concordar com a sua política econômica, por suas posições mais liberais em questões sociais, por serem contra a Guerra do Iraque e uma série de outros fatores.

Nas próximas eleições, a comunidade judaica americana, assim como o restante da população, pesará uma série de fatores na suas decisões. Um judeu ortodoxo casado, com seis filhos, do bairro de Williamsburg, certamente terá interesses distintos do Mark Zuckerberg, um judeu liberal, namorado de uma menina de origem chinesa, morador da Califórnia, ex-estudante de Harvard e dono do Facebook. O universo deles é completamente distinto. Zuckerberg possui mais em comum com o executivo da Google Wael Ghonim, que é egípcio e muçulmano, do que com colonos na Cisjordânia.

A AIPAC, poderoso lobby conservador pró-Israel, representa uma parcela expressiva da população judaica americana, mas não todos. Alguns de seus membros são ortodoxos, mas há também reformistas. Muitos judeus religiosos podem ser menos radicais na defesa de Israel do que seculares. E vice-versa.

A J-Street e outros lobbies liberais pró-Israel também têm apoio entre muitos judeus americanos. Eles costumam ser jovens e urbanos, de cidades como Nova York e Los Angeles e concluíram que ser pró-Israel não implica em ser anti-Palestina. Na verdade, assim como o presidente Barack Obama, descobriram que ser pró-Israel e pró-Palestina não são mutuamente excludentes. Um de seus principais financiadores é George Soros, sobrevivente do Holocausto, mas, apesar de judeu, chega a ser classificado equivocadamente como anti-Israel pelos mais conservadores (no sentido político).

Basicamente, há nos Estados Unidos aqueles que defendem concessões israelenses aos palestinos, como o retorno a linhas próximas das de 1967, com as trocas de terras necessárias para ajustar às fronteiras às mudanças demográficas dos últimos 44 anos. Tampouco acham impossível que Jerusalém Oriental seja capital dos palestinos. Obama, os lobbies pró-Israel liberais e jornais como o New York Times são alguns que apóiam esta visão de paz.

Outros, como a AIPAC, membros do Congresso dos EUA e o Wall Street Journal, tendem a se alinhar com Netanyahu. Na visão deles, o Estado palestino pode existir, mas Jerusalém é indivisível, as linhas de 1967 sequer devem ser mencionadas e outras condições que garantam a segurança de Israel devem ser impostas. Não há certo e errado nesta discussão, apenas posturas distintas. Resolução de conflito é uma ciência humana, não exata.

Em Israel, também existem divisões. Quando cobri as eleições em 2009, fiz um levantamento de como seria o resultado cada cidade israelense fosse um país. Provavelmente, Tel Aviv teria feito paz com os palestinos. Se fosse Jerusalém, o governo de Israel seria ainda mais conservador. Veja os números abaixo

Como seria o governo de Israel…

…se todos os israelenses fossem de Jerusalém

O Likud, de Benjamin Netanyahu, (24%)poderia formar uma coalizão de governo apenas com os partidos religiosos de direita. O principal parceiro seria o United Torah–Judaism (19%). O ultra-ortodoxo Shas (15%) garantiria a maioria sem a necessidade de aliança com o anti-árabe Israel Beitenu (6%), de Avigdor Lieberman. A oposição seria fraca, com o Kadima (11%), os trabalhistas (6%) e o Meretz (3%)

…se todos os israelenses fossem de Tel Aviv

O Kadima (34%) poderia liderar uma coalizão de centro-esquerda apenas com o apoio dos Trabalhistas (15%) e do Meretz (8%). O Likud (19%) ficaria na oposição com os partidos religiosos (somados, menos de 10%)

…se todos os israelenses fossem do assentamento de Ariel

O Likud (45%) poderia governar praticamente sozinho, se aliando a pequenos partidos. A oposição seria dominada pelo Israel Beitenu (31%). O Kadima (10%) e os trabalhistas (2%) seriam praticamente irrelevantes

…se todos os israelenses fossem de Sderot (cidade atingida por foguetes do Hamas)

O Likud (33%) teria a opção de se aliar ao Shas (13%) e partidos pequenos ou ao Israel Beitenu (23%). O Kadima (12%) e os trabalhistas (5%), que lideraram a operação contra o Hamas em Gaza, formariam uma enfraquecida oposição

…se todos os israelenses fossem de Umm al-Fahm (maior cidade árabe de Israel que não seja mista)

Israel seria um país comunista. O Hadash, com deputados judeus e árabes, teria 54% dos votos. Eles poderiam ter um governo de unanimidade com os outros partidos árabes. Likud, Kadima, trabalhistas e Israel Beitenu zeraram e não entrariam no Knesset

…se todos os israelenses morassem em kibutzim

Israel seria governado por uma coalizão do Kadima (31%), os trabalhistas (31%) e o Meretz (18%). Praticamente não haveria religiosos. Na oposição, o Likud (6%)

Leiam os blogs da Adriana Carranca, no Afeganistão, do Ariel Palacios, em Buenos Aires, do historiador de política internacional Marcos Guterman, em São Paulo, daClaudia Trevisan, em Pequim, e o Radar Global, o blog da editoria de Internacional do portal estadão.com.br e do jornal O Estado de S.Paulo”

Comentários islamofóbicos, anti-semitas e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

O jornalista Gustavo Chacra, mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia, é correspondente de “O Estado de S. Paulo” em Nova York. Já fez reportagens do Líbano, Israel, Síria, Cisjordânia, Faixa de Gaza, Jordânia, Egito, Turquia, Omã, Emirados Árabes, Yemen e Chipre quando era correspondente do jornal no Oriente Médio. Participou da cobertura da Guerra de Gaza, Crise em Honduras, Crise Econômica nos EUA e na Argentina, Guerra no Líbano, Terremoto no Haiti e crescimento da Al Qaeda no Yemen. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires. Este blog foi vencedor do Prêmio Estado de Jornalismo em 2009, empatado com o blogueiro Ariel Palacios

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.