As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Defender a oposição armada na Síria equivale a apoiar os jihadistas?

gustavochacra

10 de setembro de 2012 | 15h12

O médico francês Jacques Beres, famoso por sua atuação em zonas de combate ao redor do mundo, dissee “estar surpreso com o número de militantes de fora da Síria integrando a luta (ao lado da oposição) com o objetivo de estabelecer um Estado islâmico no país” , segundo relatou  o New York Times.

Vou tentar ser claro hoje. O regime da Síria é sanguinário ao reprimir a oposição e quer manter a ditadura secular, por mais difícil que seja retornar ao status quo anterior. Mas os opositores também são cada vez mais violentos e muitos deles, embora não todos, adotam um discurso radical sunita e cometem massacres contra minorias religiosas alauitas e cristãs.

Quem apóia a luta armada da oposição na Síria defende ao mesmo tempo radicais islâmicos, incluindo alguns ligados à Al Qaeda. Quem está ao lado do governo aceita indiretamente a morte de milhares de pessoas na repressão.

Há alguma outra alternativa? Na verdade, o melhor, como escrevi aqui diversas vezes, é agir como Israel, através de uma “negligência benigna”, esperando ver o que acontecerá nesta guerra civil e, posteriormente, adotar as medidas necessárias.

  – No rádio Estadão/ESPN, às 18h20, comento as ELEIÇÕES AMERICANAS

– Na TV Globo News- às 20h, participo do Globo News Em Pauta falando de política internacional

Leiam ainda o blog Radar Global. Acompanhem também a página do Inter do Estadão no Facebook

Comentários islamofóbicos, anti-semitas e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

O jornalista Gustavo Chacra, correspondente do jornal “O Estado de S. Paulo” e do portal estadão.com.br em Nova York e nas Nações Unidas desde 2009, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já fez reportagens do Líbano, Israel, Síria, Cisjordânia, Faixa de Gaza, Jordânia, Egito, Turquia, Omã, Emirados Árabes, Iêmen e Chipre quando era correspondente do jornal no Oriente Médio. Participou da cobertura da Guerra de Gaza, Crise em Honduras, Crise Econômica nos EUA e na Argentina, Guerra no Líbano, Terremoto no Haiti e crescimento da Al-Qaeda no Iêmen. Também é comentarista do programa Em Pauta, na Globo News. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires. Este blog foi vencedor do Prêmio Estado de Jornalismo, empatado com o blogueiro Ariel Palacios

no twitter @gugachacra

Veja como funciona o sistema de comentários dos blogs do Estadão.com.br

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: