As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Diante do radical salafista, candidato da Irmandade no Egito é moderado

gustavochacra

03 de abril de 2012 | 11h05

no twitter @gugachacra

A Irmandade Muçulmana decidiu lançar o empresário Kheirat al Shater neste domingo como candidato à Presidência porque temia a emergência do salafista e radical Hazem Salah Abu Ismail como favorito na disputa.  Antes disso, a organização islâmica trabalhava com o Conselho Supremo das Forças Armadas para escolher conjuntamente um nome neutro.

Para a Irmandade, o ideal seria manter apenas o controle do Parlamento e da constituinte, deixando os militares com alguma força no poder executivo. Diante da ameaça e do radicalismo de Ismail, o próprio Exército concordou, apesar de não publicamente, que a única alternativa seria Shater.

Caso sua candidatura alavanque, como é provável, Ismail se transformaria apenas em um candidato marginal. Amr Moussa, ex-secretário geral da Liga Árabe e laico, passaria a ser o principal adversário.

Neste cenário, o Egito teria duas opções moderadas para os padrões do Oriente Médio. De um lado, um executivo religioso, mas sem radicalismo, que exerceria um governo pragmático, preocupado com a política doméstica e uma agenda interna não muito distinta da de Recep Tayyp Erdogan, premiê da Turquia. Do outro, um experiente burocrata que busca manter o secularismo do Egito.

É importante, porém, observar com atenção a constituinte do Egito, que é completamente controlada pela própria Irmandade e pelos salafistas. Neste caso, esperamos que a tradicional organização islâmica defenda os valores mais moderados de Shater, não cedendo ao radicalismo de Ismail.

O Egito, assim como a Tunísia, ruma para a democracia. Mas o caminho será longo e repleto de obstáculos.

Leiam ainda o blog Radar Global. Acompanhem também a página do Inter do Estadão no Facebook

Comentários islamofóbicos, anti-semitas e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

O jornalista Gustavo Chacra, correspondente do jornal “O Estado de S. Paulo” e do portal estadão.com.br em Nova York e nas Nações Unidas desde 2009, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já fez reportagens do Líbano, Israel, Síria, Cisjordânia, Faixa de Gaza, Jordânia, Egito, Turquia, Omã, Emirados Árabes, Iêmen e Chipre quando era correspondente do jornal no Oriente Médio. Participou da cobertura da Guerra de Gaza, Crise em Honduras, Crise Econômica nos EUA e na Argentina, Guerra no Líbano, Terremoto no Haiti e crescimento da Al-Qaeda no Iêmen. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires. Este blog foi vencedor do Prêmio Estado de Jornalismo, empatado com o blogueiro Ariel Palacios

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.