As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

É certo palestinos e colonos não usarem o mesmo ônibus?

gustavochacra

05 de março de 2013 | 11h55

Israel implementou um novo serviço de ônibus apenas para palestinos. Os usuários são moradores da Cisjordânia que possuem autorização para ir trabalhar em Israel – cerca de 40 mil. O ponto de partida será próximo a Qalqylia e, de lá, haverá uma série de linhas para diversas cidades israelenses.

A decisão de criar este serviço de ônibus ocorreu depois de atritos envolvendo palestinos indo trabalhar em Israel e colonos que vivem na Cisjordânia. Algumas brigas eram comuns em outros lugares do mundo, como a disputa por um lugar sentado. Outras, porém, se davam devido, por exemplo, a um temor de possíveis explosivos colocados por palestinos – houve atentados no passado. Há casos de palestinos, sem justificativa, terem sido expulsos de ônibus, sendo obrigados a caminhar quilômetros.

De acordo com autoridades israelenses, os palestinos poderão seguir usando o serviço de ônibus dos colonos. Mas a recomendação é para optar para os destinados para eles. Os usuários não reclamaram e dizem que melhorou o transporte para as cidades israelenses onde eles trabalham.

A esquerda em Israel, incluindo jornais como o Haaretz, e entidades palestinas acusam o governo israelense de estar implementando uma política de Apartheid., lembrando que negros e brancos circulavam em ônibus distintos na África do Sul durante o regime racista.

Outra avaliação indica que a desconfiança entre israelenses e palestinos se acentuou nos últimos tempos e, para evitar um agravamento, o governo de Israel decidiu remediar a situação melhorando o transporte para os palestinos, o que de fato ocorreu.

O certo é que a questão da Cisjordânia precisa ser resolvida. Conforme escrevi ontem, até seis líderes do Shin Bet, responsáveis pela segurança interna de Israel, consideram completamente inviável a ocupação da Cisjordânia, reconhecida pela ONU e por quase todos os países do mundo, como parte da Palestina.

Há três opções – 1) Anexação da Cisjordânia com concessão de cidadania israelense aos palestinos; 2) Criação de um Estado palestino, com a retirada de Israel e com os colonos judeus permanecendo dentro de um país estrangeiro (com direito a cidadania palestina); 3) Anexação da Cisjordânia por Israel sem concessão de cidadania, o que seria um regime de Apartheid. Em qual destas três se encaixa o ônibus?

Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, na Rádio Estadão, na TV estadão, no Estadão Noite no tablet, no Twitter @gugachacra e na edição impressa do jornal O Estado de S. Paulo

Comentários islamofóbicos, anti-semitas e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

O jornalista Gustavo Chacra, correspondente do jornal “O Estado de S. Paulo” em Nova York e nas Nações Unidas desde 2009 e comentarista do programa Globo News Em Pauta, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já fez reportagens do Líbano, Israel, Síria, Cisjordânia, Faixa de Gaza, Jordânia, Egito, Turquia, Omã, Emirados Árabes, Iêmen e Chipre quando era correspondente do jornal no Oriente Médio. Participou da cobertura da Guerra de Gaza, Crise em Honduras, Crise Econômica nos EUA e na Argentina, Guerra no Líbano, Terremoto no Haiti, Furacão Sandy, Eleições Americanas e crescimento da Al-Qaeda no Iêmen.  No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires. Este blog foi vencedor do Prêmio Estado de Jornalismo, empatado com o blogueiro Ariel Palacios

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.