As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

É melhor a liberdade do voto dos EUA ou a obrigatoriedade do Brasil?

gustavochacra

26 de outubro de 2012 | 17h23

Eleições nos EUA 2012

Aqui nos Estados Unidos e na maior parte das democracias e mesmo ditaduras do mundo, o VOTO é um DIREITO. A pessoa pode querer ou não votar. Caso prefira assistir a um jogo de futebol, ficar na piscina, não faltar a uma reunião de trabalho, ler um blog ou fazer o que quiser, terá esta LIBERDADE.

O comparecimento às urnas, especialmente em nações democráticas, dá uma maior ou menor legitimidade a um governante. O voto, neste caso, acaba tendo um peso maior. Barack Obama e Mitt Romney sabem da importância de convencer as pessoas não apenas a votarem neles, como também a irem votar.

No Brasil, o voto é um DEVER, por mais que insistam se tratar de um direito. Você NÃO tem LIBERDADE de não votar. É uma OBRIGAÇÃO. Caso você tenha alguma emergência médica, decida viajar ou opte até mesmo por ver um VT do jogo do Palmeiras, precisará justificar ou pagar uma multa. Verdade, o valor é insignificante, mas o tempo de ir até uma zona eleitoral, não.

Por este motivo, pergunto se vocês preferem a LIBERDADE de votar ou não, como nos EUA, ou a OBRIGATORIEDADE, como no Brasil?

Leiam ainda o blog Radar Global. Acompanhem também a página do Inter do Estadão no Facebook

Comentários islamofóbicos, anti-semitas e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

O jornalista Gustavo Chacra, correspondente do jornal “O Estado de S. Paulo” e do portal estadão.com.br em Nova York e nas Nações Unidas desde 2009, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade ColumbiaTambém é comentarista do programa Em Pauta, na Globo News. Já fez reportagens do Líbano, Israel, Síria, Cisjordânia, Faixa de Gaza, Jordânia, Egito, Turquia, Omã, Emirados Árabes, Iêmen e Chipre quando era correspondente do jornal no Oriente Médio. Participou da cobertura da Guerra de Gaza, Crise em Honduras, Crise Econômica nos EUA e na Argentina, Guerra no Líbano, Terremoto no Haiti e crescimento da Al-Qaeda no Iêmen.  No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires. Este blog foi vencedor do Prêmio Estado de Jornalismo, empatado com o blogueiro Ariel Palacios

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.