As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Egito x (Irã + Hezbollah) = Guerra?

gustavochacra

09 de abril de 2009 | 14h49

A Guerra Fria do Oriente Médio teve hoje um episódio crítico, com uma potência árabe acusando abertamente o Irã e o Hezbollah de planejarem atentados terroristas contra alvos no Sinai. De acordo com o governo egípcio, 49 agentes do grupo xiita, supostamente envolvidos, foram detidos no Egito. O líder do Hezbollah, xeque Hassan Nasrallah, teria dado o código para os ataques em recente discurso. A informação foi publicada em jornais do Cairo e já repercute em blogs e diários de Beirute a Tel Aviv. O site da rede de TV Al Manar, do Hezbollah, destaca a notícia em manchete e nega as informações do regime de Mubarak

Por que pode ser verdade

. 49 libaneses foram presos. Eles surgiram de algum lugar. Não estavam no Egito para conhecer as pirâmides
. A posição do Egito na Guerra de Gaza foi duramente criticada no mundo árabe, inclusive pelo Hezbollah. Os atentados serviriam como vingança pela atitude do Egito de se posicionar contra o Hamas e fechar a sua fronteira com Faixa de Gaza, impedindo que civis palestinos fugissem dos bombardeios israelenses
. Sob pressão dos Estados Unidos e de Israel, o Egito estaria freando o tráfico de armas para o Hamas
. O acordo de paz assinado entre Egito e Israel há 30 anos ainda é visto como uma traição no mundo islâmico

Por que pode ser mentira

. O Egito é uma ditadura e o regime de Hosni Mubarak manipula informações. O líder egípcio teria interesse, neste momento, em se posicionar contra o Hezbollah para fortalecer aliados no Líbano e, acima de tudo, desqualificar a aproximação de Estados Unidos e Irã. Para completar, atentados no Egito enfraqueceriam a imagem do Irã no mundo muçulmano
. O Hezbollah, desde o início dos anos 1990, não comete atentados fora das fronteiras libanesas
. A organização xiita disputará eleições em junho no Líbano e sua coalizão tem chances de vencer. Uma série de atentados certamente afundaria as perspectivas de sucesso do grupo, que depende de votos de cristãos
. O Irã não desgastaria a sua imagem com atentados no Egito

Em resumo

Nunca foi fácil saber onde está a verdade no Oriente Médio. Ditaduras e serviços de inteligência controlam a informação. Jornalistas enfrentam enormes obstáculos para investigar uma história. No Líbano, apesar de ser uma democracia, o Estado é fraco. Teorias da conspiração emergem todos os dias. Claro, a prisão de agentes no Cairo é um prato cheio. O Hezbollah, no seu site, já elaborou a primeira delas.

De qualquer forma, independentemente de ser verdade ou não do regime de Mubarak, o Egito está em rota de colisão com o Irã. A Guerra Fria está esquentando. Os egípcios sabem que serão desinteressantes se os Estados Unidos restabelecerem diálogo com o Teerã. Nos tempos do xá, quem recebia a ajuda militar e financeira eram os iranianos, não os egípcios. Para Mubarak, Israel não é um inimigo, ainda que Lieberman, chanceler israelense, tenha dito para ele ir para o inferno. O adversário predileto de Mubarak, depois da Irmandade Muçulmana, é o Irã.

Comentários islamofóbicos, anti-semitas e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.