As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Eleições do Egito hoje lembram as do Brasil em 1989, com islamistas no lugar do de esquerdistas

gustavochacra

23 Maio 2012 | 09h18

no twitter @gugachacra

As eleições do Egito hoje lembram as do Brasil em 1989. Há candidatos para todos os gostos, de antigos integrantes do regime a ex-perseguidos políticos. A população festeja a chance de votar e escolher seu líder. Mais importante, o medo persiste sobre como será o futuro do país depois de décadas sem liberdade.

A criminalidade, com seqüestros e roubos, no Cairo atual não se diferencia da de São Paulo e do Rio de 23 anos atrás. Os egípcios ainda vivem em uma época em que é natural jogar lixo pela janela dos carros e desrespeitar a faixa de pedestres. Nós também éramos assim. A economia enfrenta uma grave crise desde a eclosão da Primavera Árabe, ainda que sem uma estagflação como a brasileira na década de 1980.

No Brasil, em 1989, muitos votaram contra Lula e Brizola porque temiam que o país seguisse o mesmo rumo de Cuba. Hoje, no Cairo e em Alexandria, votam contra Mohamad Morsi, da irmandade, e Abou Fotouh, supostamente um islamista liberal, porque temem que eles transformem o Egito em uma Arábia Saudita. Não faltam nem “Mario Amatos” na terra dos faraós.

Outros brasileiros também votaram contra Paulo Maluf, Aureliano Chaves e Fernando Collor por suas ligações com o regime militar. O mesmo se aplica aos egípcios anti-Mubarak, que não querem o ex-secretário-geral da Liga Árabe Amr Mousa e o ex-premiê Ahmad Shafik.

Figuras históricas a favor da democracia como Ulisses Guimarães tiveram as suas candidaturas cristianizadas. Mohammad El Baradei, no caso egípcio, sequer conseguiu ser candidato.

O Egito de hoje é o Brasil de ontem.

Leiam ainda o blog Radar Global. Acompanhem também a página do Inter do Estadão no Facebook

Comentários islamofóbicos, anti-semitas e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

O jornalista Gustavo Chacra, correspondente do jornal “O Estado de S. Paulo” e do portal estadão.com.br em Nova York e nas Nações Unidas desde 2009, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já fez reportagens do Líbano, Israel, Síria, Cisjordânia, Faixa de Gaza, Jordânia, Egito, Turquia, Omã, Emirados Árabes, Iêmen e Chipre quando era correspondente do jornal no Oriente Médio. Participou da cobertura da Guerra de Gaza, Crise em Honduras, Crise Econômica nos EUA e na Argentina, Guerra no Líbano, Terremoto no Haiti e crescimento da Al-Qaeda no Iêmen. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires. Este blog foi vencedor do Prêmio Estado de Jornalismo, empatado com o blogueiro Ariel Palacios