As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

EM HONDURAS – Golpismo na América Latina e terrorismo no Oriente Médio

gustavochacra

03 de julho de 2009 | 11h17

Esta semana, o blog está em Honduras e cuida também da América Latina, e não apenas do Oriente Médio

No Oriente Médio, “terrorista” é o maior palavrão que pode ser utilizado para atacar alguém. Os dois lados em disputa sempre se acusam mutuamente de terroristas. Para Israel, o Hezbollah e o Hamas são terroristas e, para a maior parte dos árabes, as ações do Exército de Israel são terroristas. A Turquia considera o PKK terrorista, mas vê outros movimentos independentistas no Chipre como legítimos. A Síria apóia grupos palestinos, mas considera organizações islâmicas dentro do seu território como terroristas. O Irã diz que grupos opositores armados pelos americanos (nada a ver com os manifestantes atuais) são terroristas, e arma xiitas no Líbano. O que é terrorismo varia de acordo com quem a define. Até mesmo o Pentágono e o Departamento de Estado dos Estados Unidos possuem definições diferentes.

Na América Latina, todos se acusam de golpistas. O governo hondurenho de Roberto Micheletti acusa Mel Zelaya de ter orquestrado um golpe para se perpetuar no poder. Já os seguidores do presidente deposto dizem que o governo de fato é quem deu golpe ao prender e expulsar Zelaya de Tegucigalpa. Na Venezuela, Hugo Chávez diz que seus opositores são golpistas. E estes dizem que o golpista é o presidente. O mesmo ocorre no Equador, Bolívia, Nicarágua e outros países da região.

Aqui em Honduras, Zelaya realmente estava desrespeitando a Constituição e buscava uma saída para se manter no poder. Entrou em choque com a Corte Suprema, o Congresso (inclusive o seu partido) e a Corte Suprema. Por outro lado, a sua deposição ocorreu de forma equivocada e apressada. Não deram a Zelaya o direito de se defender. Apenas ordenaram que os militares fossem à sua residência de madrugada e o colocassem em um avião para Costa Rica.

Dependendo da definição, pode-se definir como golpe nos dois casos. Assim como terrorismo no Oriente Médio.

Comentários islamofóbicos, anti-semitas e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.