As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Entenda o conflito em Mali

gustavochacra

11 de janeiro de 2013 | 19h30

Todos os dias ouvimos pedidos para uma intervenção militar na Síria, onde a Guerra Civil já matou cerca de 60 mil pessoas. Mas poucos falavam em enviar tropas para Mali, no meio da África, onde o cenário é tão repugnante quanto o da Síria, com o norte do território nas mãos de milicianos ligados à rede terrorista Al Qaeda desde o início do ano passado.

Para entender o contexto no Mali, que diferentemente da Síria raramente recebe cobertura internacional, em março de 2012, um golpe militar derrubou um governo democraticamente eleito em Bamako. Diante de um vácuo de poder, estes grupos radicais islâmicos ligados à Al Qaeda assumiram o poder no norte do país. Estas organizações, que utilizam algumas armas fornecidas por rebeles líbios, implementaram uma versão radical da sharia, com pessoas sendo apedrejadas, mutiladas e mortas.

Diante do temor de o norte de Mali se transformar um novo oásis para a Al Qaeda, como o Afeganistão nos tempos do Taleban, a comunidade internacional decidiu se mobilizar para tentar conter os grupos radicais islâmicos. Nenhuma nação ocidental, porém, estava disposta a enviar tropas e tampouco a realizar uma intervenção nos moldes da realizada na Líbia, através de bombardeios aéreos.

A saída, depois de meses de negociações no Conselho de Segurança, foi organizar uma missão de 3.300 soldados da Comunidade Econômica do Oeste Africano (ECOWAS, na sigla em inglês). Mas estes militares começariam a lutar ao lado das tropas de Mali apenas no fim deste ano. Obviamente, o prazo se mostrou longo e os rebeldes islâmicos conseguiram avançar e agora estão próximos de tomar a importante cidade de Konna, ampliando ainda mais o controle do território nas mãos destes grupos ligados à Al Qaeda.

Na noite de ontem, o Conselho de Segurança se reuniu em caráter emergencial em Nova York demonstrando enorme preocupação com a deterioração do cenário no país africano. Diferentemente da Síria, onde há uma divisão entre os membros do órgão, com a Rússia e a China a favor do regime secular apoiado por minorias alauíta, cristãs e druza de Bashar al Assad e os EUA e os europeus apoiando a oposição de viés sunita, a questão de Mali não provoca divergências.

Hoje, sem ninguém impor obstáculos, os franceses decidiram enviar tropas para lutar ao lado das forças do governo contra os rebeldes ligados à Al Qaeda na região ao redor de Konna. É difícil fazer uma previsão do que pode ocorrer. A França ainda é um dos países que mais bem conhece Mali, por ter sido uma colônia. Mais grave, tampouco há informações aprofundadas sobre a situação da população civil.

Comentários islamofóbicos, anti-semitas e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

O jornalista Gustavo Chacra, correspondente do jornal “O Estado de S. Paulo” e do portal estadão.com.br em Nova York e nas Nações Unidas desde 2009 e comentarista do programa Globo News Em Pauta, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já fez reportagens do Líbano, Israel, Síria, Cisjordânia, Faixa de Gaza, Jordânia, Egito, Turquia, Omã, Emirados Árabes, Iêmen e Chipre quando era correspondente do jornal no Oriente Médio. Participou da cobertura da Guerra de Gaza, Crise em Honduras, Crise Econômica nos EUA e na Argentina, Guerra no Líbano, Terremoto no Haiti, Furacão Sandy, Eleições Americanas e crescimento da Al-Qaeda no Iêmen.  No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires. Este blog foi vencedor do Prêmio Estado de Jornalismo, empatado com o blogueiro Ariel Palacios

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.