As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Entenda quem é Erdogan, premiê da Turquia

gustavochacra

12 Junho 2013 | 09h27

Veja também meu comentário sobre a Turquia no Globo News Em Pauta

Existem políticos que buscam trabalhar com a oposição. Entendem que, mesmo sendo vencedores de eleições, não possuem poderes supremos. Também sabem que democracia é mais do que votações legítimas. Também inclui divisão entre os três poderes e respeito às instituições.

Recep Tayyp Erdogan, sem dúvida alguma, comandou seu partido AKP para vitórias eleitorais na última década. Apesar de a economia não estar no auge agora, o premiê implementou importantes reformas econômicas. Também buscou uma saída para a questão curda nos últimos meses, negociando um acordo com o PKK.

Por outro lado, Erdogan não é um premiê comum. Ele não respeita a divisão de poderes na Turquia. A liberdade de imprensa é restringida, sendo um dos países com mais jornalistas presos, atingindo patamares de ditaduras. Militares foram detidos sem um julgamento justo. Leis de viés conservador religioso (islâmico, no caso) impondo restrições ao consumo de álcool, por exemplo, também afetam a liberdade dos turcos – a maior parte dos turcos é muçulmana, mas muitos deles são laicos, como muitos católicos no Brasil que jamais vão à missa.

Como não poderá, pelas leis turcas, permanecer como primeiro-ministro, Erdogan ambiciona alterar a Constituição. Não para permanecer mais tempo no cargo. Mas para transformar a Turquia, atualmente parlamentarista, em um regime presidencialista, concentrando os poderes nas mãos do presidente – que seria ele próprio. Seria uma espécie de novo sultão.

Pessoalmente, Erdogan é uma figura que causa divisões. O premiê soa arrogante para os da oposição e como herói para os seus seguidores. Sua hipocrisia é clara. Era o melhor amigo de Bashar al Assad até 2010, antes de se transformar no maior apoiador político da oposição síria, imaginando que o regime de Damasco cairia rapidamente. Este erro de cálculo fez naufragar anos de tentativa da Turquia de se impor como um líder regional.

Erdogan também critica a ocupação israelense dos territórios palestinos. Não haveria problema algum, visto que a própria ONU considera ilegal. Mas as Nações Unidas tampouco reconhecem o Chipre Turco, que conta com o apoio do governo de Ancara, ocupando toda a porção norte desta ilha mediterrânea.

O premiê também critica seus antecessores, muitas vezes militares laicos. Mas, assim como eles, Erdogan permanece sem aceitar sequer que se discuta o reconhecimento do genocídio armênio, causado pelo Império Otomano. 

Guga Chacra, comentarista de política internacional do Estadão e do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários islamofóbicos, antisemitas e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, na Rádio Estadão, na TV Estadão, no Estadão Noite no tablet, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor), no Instagram e no Google Plus. Escrevam para mim no  gugachacra at outlook.com. Leiam também o blog do Ariel Palacios