As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Escritores, cientistas e economistas brasileiros nunca receberam o Nobel

gustavochacra

07 de outubro de 2009 | 11h00

Os prêmios Nobel da Paz, de Literatura e de Economia serão divulgados nos próximos dias. Os de Química, Física e Medicina já foram anunciados. O Brasil segue com zero, em toda a sua história, a não ser pelos membros do Batalhão Suez, premiados juntos com todos os outros boinas azuis pelas missões de manutenção de paz da ONU ao redor do globo – estes militares brasileiros estiveram baseados na Faixa de Gaza e no Sinai entre 1956 e 67. Países vizinhos como a Argentina, Chile e Colômbia já foram premiados em diferentes áreas. Mesmo lugares atrasados como o Egito e Bangladesh receberam o Nobel.

Nas áreas científicas, a dificuldade brasileira se deve ao atraso das nossas universidades em relação às americanas. Nossos professores, apesar de todo o conhecimento, não dispõem dos mesmos recursos que um profissional da mesma área em Stanford, Yale ou MIT. Atualmente, é muito difícil um Nobel dessas áreas ficar de fora do eixo Europa-EUA, mas a tendência pode indicar, em breve, mais prêmios para instituições indianas e chinesas. Claro, cientistas brasileiros atuando no exterior possuem condições de receber o Nobel e talvez venha deles o prêmio brasileiro em alguns anos.

Na literatura, fica um pouco mais complicado. Nenhum escritor brasileiro vivo, apesar da enorme quantidade de talentos, possui a expressão internacional necessária. Além disso, a língua portuguesa recebeu há alguns anos o Nobel com o José Saramago.

O Nobel da Paz é o mais polêmico. Algumas figuras controversas já foram premiadas. Não consigo imaginar nenhum brasileiro com condições de ser escolhido atualmente, especialmente pela situação geopolítica do Brasil. Claro, Sergio Vieira de Melo e Chico Mendes foram cogitados, mas estão mortos.

Economistas temos de sobra e alguns dignos de receber o prêmio. Os criadores do Plano Real, que estabilizaram a economia brasileira, como André Lara Rezende, Pérsio Arida, Edmar Bacha, Gustavo Franco e Pedro Malan, sem falar, um pouco mais tarde, no Armínio Fraga e no Henrique Meirelles, mereceriam o prêmio. Sei que alguns me criticarão por isso, mas o Brasil, até 1994, vivia com uma hiperinflação, atrasado. O plano destes economistas conseguiu nos alçar para o atual cenário onde o Brasil se tornou uma potência econômica. O problema é que o Nobel de Economia é concedido para descobertas na área acadêmica, não na pública.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.