As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

EUA e parceiros erram ao não convidar Irã para falar de Síria; veja os motivos

gustavochacra

07 de janeiro de 2014 | 14h26

O Irã não foi convidado para a Conferência de Paz sobre a Síria que será realizada neste mês em Genebra. Integrarão as negociações representantes dos países membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU (EUA, Rússia, China, Reino Unido e França), nações europeias, árabes e do mundo islâmico.

 Esta decisão é um enorme erro pelos seguintes motivos

. O argumento seria de que o regime de Teerã apoia as Forças de Bashar al Assad. Sem dúvida, isso é verdade. Assim como a Rússia também apoia e participará das negociações

 . Países do Golfo Pérsico, como a Arábia Saudita, Qatar e Kuwait, armas grupos rebeldes em alguns casos ligados à Al Qaeda e, mesmo assim, foram convidados

 . O Irã, junto com a Rússia e o Iraque, está entre os maiores aliados e talvez seja o com maior capacidade de

 . Os EUA estão em um momento de aproximação com o Irã em um tema ainda mais delicado – a questão nuclear. Por que não ampliar estes contatos para a Síria?

 Para completar, a Conferência de Genebra fracassará porque

. Existe uma exigência para Assad deixar o poder. Mas por que o líder sírio, que está vencendo a guerra e controla todos os principais centros populacionais, a não ser por partes de Aleppo, concordaria em deixar o poder? Por que ele não disputaria as eleições sabendo que provavelmente venceria as eleições pois desfruta de relevante popularidade e não tem nenhum adversário na oposição com alguma importância?

 . Qual a influência a oposição síria dos hotéis cinco estrelas de Istambul e Paris exerce sobre os rebeldes que lutam contra Assad e entre si dentro do território sírio?

 . Como negociar um acordo de paz se os principais grupos rebeldes, muitos deles ligados à Al Qaeda, não participarão das negociações?

 Como já escrevi aqui anteriormente, o foco deveria ser em três frentes

. Ajuda humanitária para os refugiados dentro e fora da Síria, pressionando o governo sírio a colaborar ainda mais

 . Evitar que a instabilidade no Líbano se converta em Guerra Civil

 . Contenha o avanço do ISIS (Estado Islâmico no Iraque e na Síria) no Iraque

 Na Síria, a tendência é a de o regime consolidar seu domínio nas áreas que estão sob seu controle, enquanto grupos rebeldes continuarão lutando entre si em outras porções do território sírio

Guga Chacra, comentarista de política internacional do Estadão e do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários islamofóbicos, antisemitas e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, na Rádio Estadão, na TV Estadão, no Estadão Noite no tablet, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor), no Instagram e no Google Plus. Escrevam para mim no gugachacra at outlook.com. Leiam também o blog do Ariel Palacios

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.