As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

EUA, Rússia, Assad, Oposição, Arábia Saudita e Europa sabotaram o plano de Annan

gustavochacra

02 de agosto de 2012 | 13h11

Leia também hoje – Time de campanha de Romney é um fiasco capaz de transformar Phelps em capitão Schettino

Meu comentário na rádio Estadão sobre a saída de Annan

Kofi Annan fracassou porque foi sabotado por todos os lados na sua iniciativa de implementar os seis pontos para tentar encerrar a violência na Síria. Por mais que a comunidade internacional tenha dado declarações bem intencionadas, todos de uma forma ou outra colaboraram para o fracasso do plano.

O regime de Assad, obviamente, intensificou a violência, ficando bem distante do prometido cessar-fogo. Hoje usa até mesmo aviões na repressão que já deixou milhares de mortos. A oposição ficou cada vez mais bélica, com armamentos pesados, execuções de simpatizantes do governo e atentados suicidas.

A Rússia e a China fizeram o possível para servir de escudo para Assad, sem impor nenhuma pressão sobre o líder sírio para ele adotar o plano. Moscou inclusive forneceu armamentos para a repressão. Os EUA e seus aliados europeus isolaram Annan quando este defendia a inclusão de outros atores, como o Irã, nas negociações. A Arábia Saudita, Qatar e Turquia armaram abertamente milícias opositoras, em vez de pregar o diálogo.

Este foi apenas o primeiro plano internacional a fracassar na Síria. O país já entrou em dinâmica de guerra civil e apenas depois muita luta talvez cheguem a um equilíbrio no futuro. O Líbano demorou 15 anos. O Iraque, uma década. Afeganistão ainda está longe. E todos permanecem extremamente instáveis. É um cenário de destruição para uma geração.

Leiam ainda o blog Radar Global. Acompanhem também a página do Inter do Estadão no Facebook

Comentários islamofóbicos, anti-semitas e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

O jornalista Gustavo Chacra, correspondente do jornal “O Estado de S. Paulo” e do portal estadão.com.br em Nova York e nas Nações Unidas desde 2009, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já fez reportagens do Líbano, Israel, Síria, Cisjordânia, Faixa de Gaza, Jordânia, Egito, Turquia, Omã, Emirados Árabes, Iêmen e Chipre quando era correspondente do jornal no Oriente Médio. Participou da cobertura da Guerra de Gaza, Crise em Honduras, Crise Econômica nos EUA e na Argentina, Guerra no Líbano, Terremoto no Haiti e crescimento da Al-Qaeda no Iêmen. Também é comentarista do programa Em Pauta, na Globo News. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires. Este blog foi vencedor do Prêmio Estado de Jornalismo, empatado com o blogueiro Ariel Palacios

no twitter @gugachacra

Tendências: