As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

EUA têm estádios para realizar uma Copa amanhã; no Brasil, atraso nas obras

gustavochacra

25 de fevereiro de 2014 | 11h04

Os Estados Unidos estão prontos para realizar uma Copa do Mundo quando for necessário. O país tem dezenas de estádios “Padrão-Fifa” para receber jogos. Destes, precisa escolher 12, sendo que a maior parte possui uma capacidade superior à do Maracanã. Aeroportos modernos estão espalhados por todo o país. A rede hoteleira não precisa ser ampliada. Possuem (e continuarão possuindo, mesmo depois do Mundial no Brasil) a maior média de público da história das Copas.

 Basicamente, em três meses, os americanos poderiam organizar o Mundial. Mas, de forma inacreditável, perderam a disputa para o pequeno Qatar, uma monarquia absolutista no Golfo Pérsico, com uma população menor do que a de Curitiba, temperaturas beirando os 40 graus e nenhuma tradição futebolística, precisando erguer estádios com ar condicionado no qual centenas de pessoas já morreram nas obras.

Esta foi a minha conclusão ontem depois de dar uma aula em conjunto com Sunil Gulati, presidente da US Soccer (a CBF dos EUA) e professor de economia dos esportes, e o professor Albert Fishlow, mais conceituado brasilianista no meio acadêmico americano, em evento organizado por Sidney Nakahodo, instrutor de uma matéria sobre Brasil na Universidade Columbia de Nova York.

O Brasil tem toda a legitimidade para organizar uma Copa. Somos pentacampeões mundiais e uma das maiores economias do mundo. Mas não tínhamos infraestrutura e a que construímos talvez seja insuficiente. No fim, o Mundial acontecerá e, caso a seleção brasileira não seja eliminada nas oitavas de final contra Holanda, Espanha ou Chile, tem tudo para dar certo – agora, caso haja eliminação, será difícil controlar a insatisfação da população. Daqui anos, se o Brasil for campeão, lembraremos do gol do Neymar na final, e não dos problemas enfrentados. Isso, insisto, se formos campeões.

Eu sou a favor da Copa da Mundo, mas entendendo o evento como uma festa. Teria feito com seis ou oito sedes e encararia como uma celebração para os brasileiros, não como uma necessidade para a nossa economia.

Gulati e Fishlow deixaram claro que a influência de um Mundial no PIB de uma nação com o tamanho da do Brasil é irrelevante. E a infraestrutura talvez seja importante no caso dos aeroportos (que deveriam ser modernos mesmo sem um Mundial), mas sem dúvida era mais prioritário construir hospitais e escolas do que estádios de centenas de milhões de dólares em cidades sem tradição futebolística como Manaus, Cuiabá, Brasília e Natal – obviamente, a Fonte Nova, em Salvador, sempre estará lotada, assim como o Maracanã em um FlaFlu ou o Mineirão em Atlético-Cruzeiro. Mas pense rápido e diga o nome de um time do Mato Grosso?

Guga Chacra, comentarista de política internacional do Estadão e do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários islamofóbicos, antissemitas, antocristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, na Rádio Estadão, na TV Estadão, no Estadão Noite no tablet, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor), no Instagram e no Google Plus. Escrevam para mim no gugachacra at outlook.com. Leiam também o blog do Ariel Palacios

Tendências: