As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Guia para entender o conflito entre Irã e Arábia Saudita

gustavochacra

03 Janeiro 2016 | 14h41

Há um conflito entre o Ocidente e o Mundo Islâmico?

Ao contrário do que muitos propagam, não há um conflito entre o mundo islâmico e o Ocidente. Afinal, se houvesse, seriam cristãos (ou ateus), e não muçulmanos, sejam eles curdos, árabes ou persas, lutando contra o ISIS, também conhecido como Grupo Estado Islâmico ou Daesh, na Síria e no Iraque. Todos os países de maioria islâmica do mundo, com as exceções do Irã, Síria (laica e em guerra civil) e Sudão são aliados dos EUA. E, não podemos esquecer, o regime sírio e o iraniano estão na vanguarda da luta contra o ISIS e contra a Al Qaeda, que também são, oficialmente, inimigos de todos os países de maioria islâmica. A popularidade do ISIS é maior em alguma nações europeias do que no Líbano (0% de apoio) e na Jordânia, que fazem fronteira com a Síria.

Mas há um conflito entre Irã e Arábia Saudita, duas nações islâmicas?

Há uma série de disputas em andamento no Oriente Médio. Mas, a mais importante, envolve a Arábia Saudita e o Irã. Estes dois países apoiam lados opostos em conflitos na Síria, Iraque, Bahrain e Yemen e apoiam agrupamentos políticos rivais no Líbano.

Este conflito é entre xiitas e sunitas?

Muitos descrevem um conflito entre sunitas e xiitas. Em parte e dependendo do lugar, realmente colocam seguidores de uma vertente do islamismo contra a outra. Este é o caso do Iraque e de Bahrain. Também, no Líbano, onde não há guerra, mas uma coalizão política, apoiada pelo Irã, reúne os xiitas e a maioria dos cristãos, enquanto a outra, com o suporte saudita, reúne os sunitas e uma minoria dos cristãos. Na Síria, esta divisão não se aplica. Afinal, os xiitas são apenas 2% da população. O Irã está ao lado do regime de Assad, que conta com o apoio dos cristãos (10% da população), alauítas (10%), a maioria dos drusos (10%) e dos sunitas árabes moderados (10%). A Arábia Saudita dá suporte a grupos extremistas sunitas da oposição, como o Jaysh al Islam e a Frente Nusrah (Al Qaeda). Os curdos sírios (sunitas), são neutros, mas toleram Assad e lutam contra os rebeldes.

Sunitas e xiitas sempre foram inimigos?

Sempre houve problemas, desde o início do islamismo. Os cristãos e os judeus, por séculos, eram bem mais integrados aos sunitas do que os xiitas aos sunitas. Mas houve momentos de muita coexistência, sendo comum casamentos de xiitas com sunitas no Líbano e no Iraque, por exemplo. Soldados iraquianos xiitas defenderam o regime de Saddam (laico, embora sunita de nascimento) contra o Irã, xiita. O Hezbollah, até uma década atrás, desfrutava de enorme popularidade entre sunitas no mundo árabe mesmo sendo xiita.

Por que o cenário se agravou ontem?

Arábia Saudita e Irã sempre evitaram confrontos diretos. Atuavam em uma Guerra Fria muito similar à que existiu por décadas entre EUA e Rússia. Mas o regime saudita, o mais conservador do mundo, em apenas um dia executou 47 pessoas, incluindo um clérigo xiita, que criticava a política de quase Apartheid da monarquia contra a minoria xiita do país. Esta atitude revoltou o regime de Teerã. Manifestantes invadiram e atearam fogo à Embaixada saudita na capital iraniana e até o aiatolá Khamanei prometeu uma dura resposta.

 Quem é mais extremista, Irã ou Arábia Saudita?

Apenas para frisar, o Irã, embora possua uma sociedade sofisticada, é governada por um regime teocrático que segue uma vertente radical do islamismo xiita (xiita não significa extremista). Existe uma série de restrições religiosas, mas as mulheres e as minorias cristãs e judaicas possuem infinitamente mais liberdades do que na Arábia Saudita, embora menos do que o Líbano ou a Tunísia, por exemplo – os bahai, no entanto, são perseguidos. A não ser por raros expatriados, não há judeus e cristãos na Arábia Saudita. Os xiitas são perseguidos. Mulheres sofrem um quase Apartheid. A Arábia Saudita é, portanto, mais radical. Isso não significa, em hipótese alguma, que o Irã seja liberal.

Qual a relação do Irã e da Arábia Saudita com o ISIS?

O Boko Haram, o ISIS, a Al Qaeda e o Al Shebab seguem o wahabismo, uma vertente ultra conservadora do islamismo sunita propagada pela Arábia Saudita. O ISIS considera o Irã seu maior inimigo. O regime saudita, formalmente, também é inimigo desta organização, apesar de suspeitas de que, no passado, braços do serviço de inteligência saudita tenham dado suporte a esta organização. O Hezbollah, inimigo de Israel, é xiita e tem apoio do Irã. No Líbano, por questões de política doméstica complexas e sem relação com Israel, o Hezbollah é aliado dos principais partidos cristãos.

Qual a relação do Irã e da Arábia Saudita com os EUA e com Israel?

O Irã é inimigo dos EUA, mas houve um acordo neste ano estritamente na área nuclear, envolvendo outras potências (Rússia, China, Reino Unido, França e Alemanha). Israel, retoricamente, seria o maior inimigo dos iranianos, mas o regime de Teerã, na prática, trata a Arábia Saudita como seu maior rival

A Arábia Saudita é aliada histórica dos EUA, mas houve uma deterioração nas relações no governo Obama. Israel, embora não tenha relações formais com os sauditas, age em coordenação no campo diplomático em Washington em oposição ao Irã e troca informações no campo militar

Guga Chacra, blogueiro de política internacional do Estadão e comentarista do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários na minha página no Facebook. Peço que evitem comentários islamofóbicos, antissemitas, anticristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores. Também evitem ataques entre leitores ou contra o blogueiro.  Não postem vídeos ou textos de terceiros. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista e não tenho condições de monitorar todos os comentários

Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor) e no Instagram