As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Irã – Quem está certo, Obama ou seus senadores?

gustavochacra

13 de janeiro de 2014 | 13h07

Você defende que o Senado dos EUA aprove novas sanções ao Irã, ainda que estas sejam implementadas apenas se o regime de Teerã não cumpra a sua parte no acordo interino? Lembre-se que o objetivo, segundo os senadores, seria pressionar o Irã a fazer ainda mais concessões em um acordo definitivo.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, acha errada a postura dos senadores, incluindo alguns de seu partido, o Democrata. Para o líder americano, se esta medida for levada adiante, o Irã terá argumentos para dizer que os EUA desrespeitaram o acordo. Mais grave, a China e a Rússia, além da Índia, devem dizer o mesmo e voltarão a fazer negócios com o regime de Teerã. Lembrem-se que indianos e chineses estão sedentos pelo petróleo iraniano.

Os defensores da posição de Obama dizem que, caso o Senado aprove novas sanções, uma solução não militar para a questão nuclear iraniana será praticamente descartada, a não ser que os americanos aceitem viver com um Irã nuclear.

Apenas para lembrar, o acordo interino prevê que o Irã enriqueça o urânio a apenas 5%, valor suficiente para a produção de energia nuclear. Será preciso eliminar o urânio enriquecido a 20%, que é apenas um passo antes do patamar suficiente para produzir uma bomba atômica. As centrífugas mais modernas não poderão ser implementadas. Obras relacionadas ao enriquecimento de plutônio na instalação de Arak estão suspensas. E a Agência Internacional de Energia Atômica poderá realizar inspeções intrusivas no Irã. Em troca, haverá um abrandamento nas sanções, com o Irã tendo acesso a bens financeiros congelados no exterior.

Caso o Irã não respeite, o Senado pode aprovar no mesmo dia uma nova rodada de sanções. Não há motivos para a antecipação. Além disso, contará com o apoio da comunidade internacional. Por enquanto, o ideal é esperar para ver se acordo interino será implementado e um acordo definitivo será alcançado. Não dá para cravar uma coisa nem outra.

Israel, por sua vez, deve manter a pressão sobre o Irã. Desta forma, o regime de Teerã saberá que o risco de uma ação militar contra as suas instalações ainda existe. Assim, os israelenses fariam o papel de “bad cop” e os EUA de “good cop”.

Defensores do Irã dirão não ser justo o país ficar sem armamentos nucleares, enquanto os EUA, Rússia, França, Reino Unido, China, Índia, Israel, Paquistão e Coreia do Norte possuem arsenal atômico. Mas o mundo não é simples e o Irã terá mais a ganhar sem estas armas poderá reabrir relações com a maior economia do mundo (os EUA), ter estabilidade interna e buscar desenvolvimento.

Turquia, Brasil, Alemanha e Japão são nações que, se quisessem, poderiam ter armas nucleares, mas optaram por não ter e estão bem. Tirando o Brasil, os demais têm inclusive o argumento de que seus vizinhos possuem armas atômicas. Mas tomaram uma decisão. Aparentemente, o Irã também tomou.

Guga Chacra, comentarista de política internacional do Estadão e do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários islamofóbicos, antissemitas e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, na Rádio Estadão, na TV Estadão, no Estadão Noite no tablet, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor), no Instagram e no Google Plus. Escrevam para mim no gugachacra at outlook.com. Leiam também o blog do Ariel Palacios

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.