As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Irã, Sauditas, Egito e Turquia são melhores do que EUA, Rússia e Europa para resolver a crise na Síria?

gustavochacra

27 de agosto de 2012 | 14h30

O Egito lançou uma iniciativa chamada “Grupo dos 4”, incluindo o Irã, a Arábia Saudita e a Turquia para tentar resolver a crise síria. São justamente as quatro potências regionais, sem contar Israel, e reúne nações envolvidas com os dois lados da crise síria. Estes países entendem bem o que acontece em Damasco e sabem quem são os opositores.

Os EUA, Rússia, China, Grã Bretanha e França fracassaram até agora. O IBSA, como é chamado o grupo formado por Brasil, Índia e África do Sul, tampouco teve sucesso e a iniciativa caiu no esquecimento. Mesmo a Liga Árabe, que não inclui nações não-árabes, como a Turquia e o Irã, junto com a ONU, por meio de Kofi Annan, teve boas intenções, mas terminou como fiasco.

Agora, resta esperar para ver o que negociarão Teerã, Riad, Cairo e Ancara. Será importante também tentarem conter um agravamento das tensões no Líbano.

Antes de terminar, apenas deixo claro que Irã e Arábia Saudita podem contribuir para conter a guerra civil pois são os principais patrocinadores do governo e da oposição, respectivamente. Mas são dois países fechados e sem interesse algum na democracia. Neste caso, o papel de egípcios e turcos será mais importante.

Leiam ainda o blog Radar Global. Acompanhem também a página do Inter do Estadão no Facebook

Comentários islamofóbicos, anti-semitas e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

O jornalista Gustavo Chacra, correspondente do jornal “O Estado de S. Paulo” e do portal estadão.com.br em Nova York e nas Nações Unidas desde 2009, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já fez reportagens do Líbano, Israel, Síria, Cisjordânia, Faixa de Gaza, Jordânia, Egito, Turquia, Omã, Emirados Árabes, Iêmen e Chipre quando era correspondente do jornal no Oriente Médio. Participou da cobertura da Guerra de Gaza, Crise em Honduras, Crise Econômica nos EUA e na Argentina, Guerra no Líbano, Terremoto no Haiti e crescimento da Al-Qaeda no Iêmen. Também é comentarista do programa Em Pauta, na Globo News. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires. Este blog foi vencedor do Prêmio Estado de Jornalismo, empatado com o blogueiro Ariel Palacios

no twitter @gugachacra

Veja como funciona o sistema de comentários dos blogs do Estadão.com.br

Tendências: