As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Islamofobia e Islamofascismo mataram diplomatas dos EUA

gustavochacra

12 Setembro 2012 | 11h46

O embaixador americano em Benghasi foi vitima de uma luta de dois lados errados – a islamofobia e o islamofascismo. E, que fique claro, o diplomata dos EUA não faz parte de nenhum deles. Ao contrário, combatia ambos. Sabia diferenciar um muçulmano comum de uma minoria extremista. Mas vamos entender o que aconteceu.

De um lado, estão islamofóbicos que fazem um filme ruim e agressivo para insultar uma religião desnecessariamente. Usam a Primeira Emenda da Constituição americana, que garante a liberdade de expressão, para mostrar preconceito – alguns islamofóbicos mais radicais, como o terrorista norueguês, usam vídeos e textos como este para massacrar civis.

De outro, ficam os islamofascistas que se aproveitaram da Primavera Árabe e do fim das ditaduras para tentar impulsionar sua agenda. Eles sabiam muito bem que o governo dos EUA nada tinha a ver com o filme.

Resumindo, os islamofóbicos generalizam os muçulmanos ao descreverem todos como islamofascistas. E os islamofascistas generalizam os americanos ao acharem que todos são islamofóbicos. No fim, um se alimenta do outro. E diplomatas sérios, que buscam construir pontes entre os EUA e o mundo islâmico, defendendo a democracia, acabam sendo as vítimas.

  – No rádio Estadão/ESPN, às 18h20, comento as ELEIÇÕES AMERICANAS

– Na TV Globo News- às 20h, participo do Globo News Em Pauta falando de política internacional

Leiam ainda o blog Radar Global. Acompanhem também a página do Inter do Estadão no Facebook

Comentários islamofóbicos, anti-semitas e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

O jornalista Gustavo Chacra, correspondente do jornal “O Estado de S. Paulo” e do portal estadão.com.br em Nova York e nas Nações Unidas desde 2009, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já fez reportagens do Líbano, Israel, Síria, Cisjordânia, Faixa de Gaza, Jordânia, Egito, Turquia, Omã, Emirados Árabes, Iêmen e Chipre quando era correspondente do jornal no Oriente Médio. Participou da cobertura da Guerra de Gaza, Crise em Honduras, Crise Econômica nos EUA e na Argentina, Guerra no Líbano, Terremoto no Haiti e crescimento da Al-Qaeda no Iêmen. Também é comentarista do programa Em Pauta, na Globo News. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires. Este blog foi vencedor do Prêmio Estado de Jornalismo, empatado com o blogueiro Ariel Palacios

no twitter @gugachacra

Veja como funciona o sistema de comentários dos blogs do Estadão.com.br