Lanchonete frequentada por membros do Hezbollah serve “prato terrorista”
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Lanchonete frequentada por membros do Hezbollah serve “prato terrorista”

gustavochacra

27 de novembro de 2008 | 14h10

O Guns and Bums é conhecido em Beirute como a lanchonete do “Hezbollah”. Diz a lenda que o xeque Hassan Nasrallah apenas come o cheese burger deste restaurante, cuja localização, para muitos libaneses, é uma incógnita. O local, me diziam, era frequentado apenas por militantes da organização xiita. Uma equipe da rede Globo, recentemente, tentou fazer uma reportagem sobre a lanchonete, mas acabou detida pelos integrantes do Hezbollah. Afinal, o Guns and Bums não fica no Líbano, mas em um outro país que divide o mesmo território – a Hezbollândia.

Como jornalista, não tenho autorização do Hezbollah para trabalhar em Dahieh, no sul de Beirute, que é controlado pela organização. O “Hezbollah Media Relations” me permitiu trabalhar apenas no sul do Líbano, mas não na capital libanesa, apesar de eu ser credenciado pelo governo do Líbano.

A saída, para ir ao Guns and Bums, foi convidar o Khaled, um motorista/fixer amigo meu que conhece a região. Garanti a ele que não iria como jornalista. Apenas como “turista” e que relataria a visita ao restaurante sem entrevistar ninguém. Pegamos o carro dele e circulamos pelas ruas de Dahieh, que tem o trânsito controlado por membros do Hezbollah. Passamos perto de alguns campos palestinos, uma mesquita e, de repente, dou de cara com uma lanchonete que lembra estas de estrada no Brasil. Havia umas pessoas que até poderiam ser membros do Hezbollah. Não tenho certeza. Afinal, não podia perguntar. Tinha também uma mãe, acompanhada dos filhos de uniforme escolar, comprando o almoço.

Pedi o cardápio, que está na foto acima. O que me chamou a atenção é que eles têm um prato para o almoço denominado “Terrorist Meal”. Note que a lanchonete é supostamente o ponto de encontro do Hezbollah para tomar lanche. E eles orgulhosamente chamam o prato de “terrorista”. O preço é de 8.000 liras libanesas, o que dá um pouco mais que US$5. Outras opções incluem o B52, M16, Klashinkov entre outros. Eu pedi um hamburger comum. Demorou uns vinte minutos, apesar de slogan da lanchonete dizer que o hamburger fica pronto mais rápido do que um tiro. O tempero é diferente, meio picante. Para beber, tinha apenas Pepsi. A batata frita vinha dentro do sanduíche, e não ao lado.

Honestamente, não é das melhores atrações de Beirute. Tampouco vi o Nasrallah ou qualquer figura relevante do Hezbollah. E, segundo me disseram, os donos do Guns and Bums, que são da organização xiita, querem abrir franquias no centro reconstruído de Beirute e, como não poderia deixar de ser, em Dubai – “made in Hezbollândia”.

Obs. Vim por motivos pessoais passar uns dias nos Estados Unidos, mas, na semana que vem, estarei de volta ao Oriente Médio. Irei a um país surpresa. De qualquer forma, continuarei postando daqui de Nova York.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.