As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Manual para entender as eleições para o Congresso nos EUA

gustavochacra

04 Novembro 2014 | 13h37

O sistema eleitoral dos EUA não é igual ao do Brasil, embora haja similaridades. Ambos, por exemplo, possuem Câmara dos Deputados e Senado. E, antes de explicar o que está em jogo hoje, é preciso entender como funciona o sistema

Câmara dos Deputados

Similaridades com o Brasil

No caso da Câmara, o número de representantes também busca ser proporcional às populações, com os Estados mais populosos tendo um número maior de cadeiras – a Califórnia possui 53 deputados, enquanto Vermont, por exemplo, possui apenas 1.

Diferenças do Brasil

. O mandato dura apenas dois anos para os 435 deputados e não quatro, como no Brasil

. A eleição é distrital. Portanto o deputado concorre apenas dentro do seu distrito

. O voto não é obrigatório

. Há primárias. E hoje estas chegam a ser mais importantes do que as eleições. Afinal há poucos distritos competitivos. A maior parte é sólida republicana ou sólida democrata. Portanto alguns deputados, na prática, acabam sendo eleito nas primárias. Isto é, se um distrito tem um eleitorado majoritariamente republicano, certamente um membro do partido vencerá

. Há apenas dois partidos relevantes. Apenas em alguns raros casos candidatos independentes ou de partidos nanicos conseguem ser competitivos. Na prática, os deputados são republicanos ou democratas

Senado

Similaridades

. Todos os Estados possuem o mesmo número de senadores

Diferenças

. Há dois senadores por Estado, e não três, como no Brasil

. O mandato dura seis anos

. A cada eleição, que ocorrem de dois em dois anos, apenas um terço do Senado é renovado. No Brasil, as eleições para o Senado são a cada quatro anos. Em uma delas, dois terços do Senado é renovado. Na outra, um terço

. O voto não é obrigatório

O que está em jogo na Câmara dos Deputados hoje?

Barack Obama, quando foi eleito em 2008, tinha o controle da Câmara dos Deputados. Mas, nas eleições (midterm elections) de 2010, os republicanos retomaram a maioria. Hoje os republicanos possuem 233 deputados, contra 199 democratas. Há duas cadeiras vagas. Nesta eleição, todas serão renovadas. Mas é 100% certo que os republicanos manterão a maioria. A dúvida é se esta se ampliará (mais provável) e se este aumento será de dez ou mais deputados.

O que está em jogo no Senado hoje?

Obama controla o Senado desde que foi eleito. Atualmente, há 53 democratas, dois independentes que votam com os democratas e 45 republicanos. O vice-presidente dos EUA é voto de desempate se necessário – obviamente, Joe Biden é democrata.

Esta é a eleição mais importante do dia, pois os republicanos são favoritos e devem reconquistar o controle do Senado. De acordo com o site de estatística FiveThirtyEight, a probabilidade é de 76,4%. O New York Times coloca em 70%.

. Os republicanos possuem uma chance superior a 90% de vencer em 17 Estados, além de manter outros 30 que não disputam reeleição. Isso já garante 47 cadeiras

. Os democratas tem uma chance superior a 90% de vencer em 11 Estados, além de manter 34 (incluindo dois independentes) que não estão na disputa. Isso garante 45 cadeiras

. Sobram oito disputas que decidirão a eleição. Destas, em quatro os republicanos são favoritos, em duas os democratas e duas estão extremamente equilibradas. Abaixo, a probabilidade (não é intenção de voto) de cada um ganhar

Republicanos – Louisiana (86%), Colorado (80%), Iowa (66%) e Alaska (65%)

 Democratas – New Hampshire (75%) e Carolina do Norte (73%)

 Equilibradas – Kansas (54% democrata e 66% republicano) e Georgia (40% democrata e 60% republicano)

Por este motivo, basta aos republicanos vencerem onde são favoritos que já garantem a maioria no Senado. Os democratas, por sua vez, precisam vencer onde são favoritos, vencer onde está equilibrado e conseguir pelo menos uma zebra nos Estados onde os republicanos são favoritos. Assim chegariam a 50 e, com o voto de Biden, teriam a maioria

Insisto, estes números são probabilidade de vitória, segundo modelo do The Upshot, do New York Times, levando em conta uma série de variáveis

Há, ainda, a questão de, na Louisiana e na Georgia, haver o risco de segundo turno. Isso porque em um destes Estados há dois candidatos republicanos e, no outro, um terceiro candidato do Partido Libertário

Antes de encerrar, lembro que haverá referendos sobre a maconha e outras temas em alguns Estados. Também haverá eleição para 36 governadores e Assembleias Legislativas