As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Membros do esquadrão SEAL que matou Bin Laden não gostavam de Obama

gustavochacra

30 de agosto de 2012 | 12h43

O livro “No Easy Day”, escrito por um dos SEALs envolvidos na operação para matar Osama bin Laden, pode ter um efeito negativo para o presidente Barack Obama na atual campanha eleitoral, dando munição para os seus adversários republicanos o criticarem.

Primeiro, porque Matt Bissonnette, como foi identificado o autor que adotou um pseudônimo na obra publicada pela editora Penguin Books, uma das maiores dos EUA, contradiz a versão oficial sobre como teria sido o momento dos disparos contra o terrorista saudita. Segundo ele, Bin Laden foi morto com um tiro na cabeça assim que saiu do quarto, sem esboçar reação. A Casa Branca diz que o saudita teria tentado reagir.

Em segundo lugar, e este ponto seria ainda mais grave para o atual presidente, a maior parte dos SEAL envolvidos na operação antipatizavam com Obama, de acordo com o autor. Eles teriam ficado ainda mais irritados com uso político da arriscada ação levada adiante no ano passado na Paquistão.

Evitando atrito, a administração de Obama preferiu não responder diretamente, optando mais uma vez por elogiar a “a coragem e o patriotismo” dos SEAL, como é chamado o grupo de operações especiais da Marinha.

Para quem perdeu o Globo News Em Pauta nos três primeiros dias desta semana, pode ver aqui meu comentário ontem sobre a imagem dos EUA na China. Hoje participo mais uma vez

Leiam ainda o blog Radar Global. Acompanhem também a página do Inter do Estadão no Facebook

Comentários islamofóbicos, anti-semitas e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

O jornalista Gustavo Chacra, correspondente do jornal “O Estado de S. Paulo” e do portal estadão.com.br em Nova York e nas Nações Unidas desde 2009, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já fez reportagens do Líbano, Israel, Síria, Cisjordânia, Faixa de Gaza, Jordânia, Egito, Turquia, Omã, Emirados Árabes, Iêmen e Chipre quando era correspondente do jornal no Oriente Médio. Participou da cobertura da Guerra de Gaza, Crise em Honduras, Crise Econômica nos EUA e na Argentina, Guerra no Líbano, Terremoto no Haiti e crescimento da Al-Qaeda no Iêmen. Também é comentarista do programa Em Pauta, na Globo News. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires. Este blog foi vencedor do Prêmio Estado de Jornalismo, empatado com o blogueiro Ariel Palacios

no twitter @gugachacra

Veja como funciona o sistema de comentários dos blogs do Estadão.com.br


Tendências: