As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Não se esqueçam que Kim é um ditador sanguinário na Coreia do Norte

gustavochacra

27 Abril 2018 | 19h30

Os presidentes dos EUA e da Coreia do Sul estão corretos em buscar a via do diálogo com a Coreia do Norte para uma resolução do conflito na Península Coreana pela via diplomática. Os avanços nos últimos meses são impressionantes. No fim do ano passado, falávamos sobre o risco de um cálculo errado levar a uma escalada militar. Agora há a possibilidade de um Tratado de Paz e mesmo uma incerta “desnuclearização” da região.

A cautela, no entanto, deve ser mantida. Primeiro, o regime da Coreia do Norte não é confiável. Por duas vezes, o pai do ditador Kim Jong-Un falou em paz, entrou em negociações e abordou o tema da desnuclearização. Em todas, na realidade, buscava apenas o abrandamento das sanções enquanto mantinha o programa clandestino. Kim pode estar pensando da mesma forma. Em segundo lugar, o atual ditador conseguiu avançar bastante em seu poderio nuclear com seus testes no ano passado. Ele se enxerga como líder de uma potência atômica e não teria incentivos claros para abdicar de seu arsenal se observarmos o que ocorreu no Iraque e na Líbia.

Por último, Kim segue como um ditador sanguinário que oprime o povo norte-coreano. Ele não virou “bonzinho” porque andou de mãos dadas com o pacifista presidente Moon. Notem que o encontro sequer foi exibido na Coreia do Norte e em nenhum momento a questão de abdicar das armas nucleares foi mencionada para o público em Pyongyang.

Trump e Moon devem sim dialogar com Kim. Mas é importante que não deem legitimidade. Acho que a deferência ao ditador norte-coreano foi exagerada. Ainda assim, pode valer a pena se houver paz na Península Coreana.