As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O decadente Ahmadinejad pendura as chuteiras na ONU

gustavochacra

26 de setembro de 2012 | 13h04

O discurso de Mahmoud Ahmadinejad foi bem ameno quando comparado aos de outros anos. Mesmo os seus ataques a Israel e aos EUA ficaram aquém de seu tradicional discurso agressivo em entrevistas e em suas aparições nos sete anos anteriores.

O máximo a que chegou o líder iraniano foi chamar os sionistas de “não-civilizados”. Aliás, Ahmadinejad não gosta de usar a palavra “israelenses”. De qualquer maneira, para alguém que já questionou o Holocausto, o 11 de Setembro e anteontem voltou a atacar os homossexuais, é algo surpreendente.

No fim, o presidente do Irã adotou um tom marxista com duras críticas ao capitalismo internacional. Parecia até algum esquerdista brasileiro nos anos 1970.

A Síria e outras questões de política internacional sequer foram citadas. Talvez Ahmadinejad saiba que, neste caso, a postura iraniana não desfruta do mesmo apoio entre os não-alinhados que os ataques a Israel.

Depois de hoje, Ahmadinejad nunca mais falará na ONU em Nova York. Seu mandato termina no meio do ano que vem. Em Teerã, ele não apita nada. Depois de cair em desgraça com o aiatolá Khamanei, líder supremo do país, viu até a sua popularidade despencar. Seus aliados são acusados de feitiçaria pelo regime.

Leiam ainda o blog Radar Global. Acompanhem também a página do Inter do Estadão no Facebook

Comentários islamofóbicos, anti-semitas e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

O jornalista Gustavo Chacra, correspondente do jornal “O Estado de S. Paulo” e do portal estadão.com.br em Nova York e nas Nações Unidas desde 2009, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já fez reportagens do Líbano, Israel, Síria, Cisjordânia, Faixa de Gaza, Jordânia, Egito, Turquia, Omã, Emirados Árabes, Iêmen e Chipre quando era correspondente do jornal no Oriente Médio. Participou da cobertura da Guerra de Gaza, Crise em Honduras, Crise Econômica nos EUA e na Argentina, Guerra no Líbano, Terremoto no Haiti e crescimento da Al-Qaeda no Iêmen. Também é comentarista do programa Em Pauta, na Globo News. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires. Este blog foi vencedor do Prêmio Estado de Jornalismo, empatado com o blogueiro Ariel Palacios

no twitter @gugachacra

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.