As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O Irã já ofereceu até desarmar o Hezbollah e reconhecer Israel, mas Bush disse não

gustavochacra

16 de março de 2012 | 13h20

no twitter @gugachacra

Em 2003, depois de os EUA derrubarem Saddam Hussein, no Iraque, e o Taleban, no Afeganistão, o regime do Irã, através do embaixador da Suíça em Teerã, fez a seguinte proposta à administração de George W. Bush, segundo o professor Trita Parsi em seu livro “A Single Roll of Dice”, sobre a diplomacia do governo Obama

–       Fim do apoio ao Hamas e ao Jihad Islâmico e pressão para eles suspenderem os ataques a Israel

–       Desarmamento do Hezbollah, transformando o grupo libanês apenas em um partido político

–       Assinatura do Protocolo Adicional do Tratado de Não Proliferação Nuclear (nem mesmo o Brasil é signatário)

–       Liberdade de inspeções intrusivas em seu programa nuclear

–       Cooperação no combate à rede terrorista Al Qaeda

–       Apoio na estabilização do Iraque

–       Reconhecimento de Israel nas fronteiras pré-1967 e normalização das relações entre os dois países

Em troca, o Irã queria

–       Envio de membros do Mujahedin-e Khalq, uma organização anti-Irã considerada terrorista pelos EUA (os iranianos enviariam membros da Al Qaeda em troca)

–       Fim das sanções no longo prazo (isso mesmo, não precisava ser imediatamente)

–       Direito de o Irã ter acesso a tecnologia nuclear, biológica e química para fins não militares

–       Reconhecimento dos interesses geopolíticos do Irã na região

Colin Powell, então secretário de Estado, e uma série de membros do governo Bush apoiaram o acordo. Mas prevaleceu no fim a posição do vice-presidente Dick Cheney e do então secretário da Defesa, Donald Rumsfeld, que foram contra. Eles disseram que não negociam nada com o regime dos aiatolás

Depois de os EUA dizerem não,

–       o Irã elegeu o extremista Mahmoud Ahmadinejad, no lugar do reformista Mohamad Khatami

–       o Hezbollah travou uma guerra contra Israel

–       o Hamas dominou Gaza e mantém ataques de foguetes diários contra os israelenses

–       o Iraque entrou em guerra civil e milhares de americanos morreram

–       o Irã seguiu em direção das armas nucleares

–       o conflito entre israelenses e palestinos ainda não tem solução

Honestamente, não havia uma proposta melhor do que esta iraniana. E, detalhe, esta era a oferta inicial. Os americanos poderiam barganhar

Leiam ainda o blog Radar Global. Acompanhem também a página do Inter do Estadão no Facebook

Comentários islamofóbicos, anti-semitas e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

O jornalista Gustavo Chacra, correspondente do jornal “O Estado de S. Paulo” e do portal estadão.com.br em Nova York e nas Nações Unidas desde 2009, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já fez reportagens do Líbano, Israel, Síria, Cisjordânia, Faixa de Gaza, Jordânia, Egito, Turquia, Omã, Emirados Árabes, Iêmen e Chipre quando era correspondente do jornal no Oriente Médio. Participou da cobertura da Guerra de Gaza, Crise em Honduras, Crise Econômica nos EUA e na Argentina, Guerra no Líbano, Terremoto no Haiti e crescimento da Al-Qaeda no Iêmen. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires. Este blog foi vencedor do Prêmio Estado de Jornalismo, empatado com o blogueiro Ariel Palacios

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.